Uma donzela encontra na floresta uma perigosa serpente • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 21 de novembro de 2008

Uma donzela encontra na floresta uma perigosa serpente

Estocado em Manuscritos

43

Uma donzela encontra na floresta uma perigosa serpente, mas como nesta narrativa nada é o que parece, a serpente abre a boca não para morder, mas para falar. Não cessa de me surpreender que nesta história a picada fatal seja dada pela própria vítima, e não pelo seu antagonista. Os papéis são sensivelmente invertidos: serpentes falam, seres humanos mordem.

Em todas as histórias a mordida é símbolo inequívoco de transgressão, emblema de limites ultrapassados. Quando, no final do meu sonho, sou finalmente picado pela serpente da qual pensei ter protegido meu grupo, isso representa que na ânsia de protegê-los eu mesmo ultrapassei um terrível limite. Abrigado pelas minhas boas intenções, tornei-me um pouco aquilo que estava tentando a todo custo eliminar.

Neste ponto a serpente é livre para me picar, uma picada que é quase um beijo, porque aqui tornamo-nos a mesma pessoa.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é filiada ao Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais