Sem noção • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 01 de abril de 2005

Sem noção

Estocado em Gírias e Falares

Tudo bem, então. Deixe-me reassumir a minha missão civilizatória antes que o mundo afunde novamente num caos informe de trevas completas.

Alguém talvez lembre que eu já me perguntei anteriormente se algum gênio teria percebido antes de mim que a gíria é uma espécie espontânea e revigorante de poesia popular. Naturalmente, alguém percebeu.

Em 1892 o rebelde poeta americano Walt Whitman, celebrado autor de Leaves of Grass, descreveu a gíria como “um arranque de fantasia imaginação e humor, soprando em suas narinas o sopro da vida” e espalhando “riquíssimos flashes de humor e genialidade e poesia”.

O “sopro da vida”, é claro, é o poder criativo e regenerador das novas ideias; nesse sentido é a gíria é o soro que mantém línguas velhésimas vivas artificialmente. Somente as línguas que não se reinventam morrem.

Por isso, quando você usa gíria está, mesmo sem perceber, contribuindo para salvar o seu próprio idioma com o sopro renovador da reinvenção e da poesia. Se você quer que a sua língua morra e caia no esquecimento, fale e escreva certinho.

Mó sem noção.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas discorda da posição do colega