De que modo o sistema reverte em seu favor os alertas dos pessimistas

O capitalismo não só anula os esforços dos seus críticos, mas os incorpora e se beneficia deles

Por milênios as instituições se perpetuaram com base em autoridades “fortes” e centralizadas, coisas como a vontade de Deus e o direito de sangue das monarquias. Eram autoridades que os próprios discursos oficiais tomavam por inquestionáveis. Qualquer dissidência tinha de ser tomada como absurda e sem fundamento, e todo dissidente tinha de ser tirado espetacularmente do tabuleiro, devidamente desqualificado pela nudez, pela tortura, pela forca, pelo fogo ou pela cruz.

Apesar de terem funcionado por séculos, o fato de serem fortes e centralizadas era para essas autoridades, sem que ninguém se desse conta, uma desvantagem. Seu ponto Continue lendo →

A história da loucura

Para entender como isso funciona pode ser útil prover um sumário da história da ideia de doença mental. Nesta seção quero resumir A história da loucura de Michael Foucault, valendo-me ainda de Deviance and Medicalization: From Badness to Sickness, de Peter Conrad e Joseph W. Schneider. Enquanto examinamos essa história é fundamental que reflitamos sobre a nossa própria experiência nos serviços sociais. O quanto nossas instituições refletem os valores, trajetórias e estruturas das instituições que descobrimos aqui?

Surgia a compreensão de que os pobres eram benéficos para a riqueza das nações e dos capitalistas

A sociedade ocidental é singular na sua compreensão de que a “loucura” é uma “doença mental”. De que Continue lendo →

Como reter o direito sobre o corpo de outras pessoas

Primeira parte: “Pare de resistir, estamos fazendo isso para o seu bem!”

Uma crise na coerção justificada: da religião aos serviços de saúde

Quando consideramos a ascensão do modelo médico e a difusão da linguagem de comunidade e saúde pública, a primeira coisa é entender que esse é um fenômeno relativamente recente.

A idade da razão gerou uma crise para os que usavam os discursos religiosos de modo a justificar o uso da força

A medicina costumava ser praticada de modo muito diferente, saúde e doença eram compreendidas e priorizadas de modo muito diferente, e os que se ocupavam dessas coisas tinham uma posição inferior e menor influência dentro da sociedade. O que aconteceu para mudar isso? De que modo as práticas discursivas da saúde chegaram a predominar?

O que aconteceu foi que do Renascimento em diante ocorreram guinadas radicais dentro das sociedades ocidentais. A ciência, Continue lendo →

Sobre barragens

O fundamentalismo de mercado requer a fé de que as coisas podem ser mantidas isoladas umas das outras por muros de contenção.
A má notícia é que as barragens funcionam. A notícia pior é que não funcionam indefinidamente.

Em algum momento entre hoje e o instante em que desliguei uma televisão pela última vez, em 2004, o capitalismo tornou-se tudo que existe.

A expressão “espacialização do capital” quer dizer várias coisas, inclusive que não resta espaço – real ou virtual, distinção que o capitalismo trata de ignorar – que não tenha sido ocupado pelo capitalismo ou distorcido pela sua força gravitacional. Faz sentido continuar chamando de Império ao Império que anulou toda a competição? Tendo ocupado todos os espaços, o capitalismo tornou-se indistinguível daquilo com que poderia ser contrastado.

Mas “espacialização do capital” quer Continue lendo →

Episódio 7:
Fortuna e glória

 

– Em pé no alto da construção, Miro Valhacouto perscruta a paisagem, erguendo o olhar da esplanada estéril até a selva circundante. Valhacouto pode ser o mais prestigiado especialista em desarmamento de hidrelétricas da União, mas está sempre pronto para recordar as suas origens.

– Toma – disse Genésio Casabranca, empurrando a caixa de metal pelo concreto até tocar a perna do outro.

– Nascido num quilombo do Catupiry, filho de um índio gaúcho com uma fazendeira do Xingu, Miro começa de baixo, desarmando mata-burros na fazenda do doutor Clory. Nos anos 90 ganha prestígio no Serestão desarmando argumentos de candidatos Continue lendo →

Solidariedade

 

– Ela tem razão – disse Caio Gonçaço, enrubescendo um pouco, e deslizou a mão sobre o mapa estendido no quadro-negro. – A Muralha amazônica você pode pensar como uma enorme, enorme biblioteca. Toda planta e todo animal, todo índio e todo ribeirinho é um volume dessa biblioteca, com o detalhe que cada livro está repleto de referências a todos os outros e só pode ser adequadamente lido e apreciado dentro desse sistema de alusões, descontinuidades e remetências. Se pegar isoladamente uma bromélia ou um índio você vai ter ainda uma obra prima, um livro formidável, mas vai perder as referências cruzadas a todos Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é constrangedoramente grande