Danças Descalças de Natal – 2004: Quomodo vero • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 08 de dezembro de 2004

Danças Descalças de Natal – 2004: Quomodo vero

Estocado em mp3

Este documento contém clipes de áudio que só podem ser ouvidos na página da Bacia na internet.

“A Truly Heeling Experience!”
Maeve Vella, In Depth-Arts

“Squeak bla bla blump squeak squeak bla bla blump!”
Jeff Wong, cartoonist

Todo ano no dia 5 de dezembro, logo depois das Vésperas, os monges descalços do Monastério de São Brabo reúnem-se no Refeitório São Borges, depois de remover do espaçoso recinto todas as mesas e bancos. Eles estão aqui para uma tradição cujas origens perderam-se no tempo, mas que estão por certo relacionadas à ressonância natural do assoalho de madeira do refeitório: as Danças Descalças de Natal.

Em consonância com o ensino de São Borges, de que a beleza é comum, não há ensaio ou qualquer tipo de preparação: qualquer monge pode começar e qualquer um pode juntar-se em qualquer momento. Tudo é ad libitum – ou, para alguns, conduzido pelo Espírito. Antes de cada conjunto de danças improvisadas um verso da Vulgata é lido em voz alta. Um monge voluntário começa de imediato a dança descalça, tentando descobrir o ritmo inerente ou, mais precisamente, “ser descoberto por ele” – de modo a levar seus irmãos à apropriada disposição de adoração descalça.

“Deus é o grande Improvisador”, é lembrado que disse São Brabo. “Beleza e verdadeira ordem são moldadas por ele a partir do material bruto do aleatório e do caos.”

O verso em particular a que corresponde o conjunto de danças exibido nesta faixa é o texto da Vulgata de Romanos 10:15: Quomodo vero prædicabunt nisi mittantur? sicut scriptum est: Quam speciosi pedes evangelizantium pacem, evangelizantium bona! – Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!

Titolo, Autore | Clique no triângulo para ouvir


Every year on December 5st, just after the evening Vespers, the shoeless monks of Saint Brabo Monastery gather in Saint Borges’ Refectory, after removing from the spacious dining hall all its tables and benches. They’re here for a tradition whose actual origins are lost in time, but which are most certainly related to the natural resonance of the Refectory’s wooden floor: the Foot Dances of Christmas.

In keeping with Saint Borges teaching that beauty is common, there’s no rehearsal and no preparation whatsoever: any monk can start the dances and anyone can join in at any time. Everything is ad libitum – or, to some, Spirit leaded. Before each set of extemporized dances a verse from the Vulgate is read aloud. A voluntary monk starts foot dancing right away, trying to discover the inherent rythm or, more precisely, “to be found by it” – so to lead his brothers into the proper worship footset.

“God is the great Improviser”, Saint Brabo the Shoeless is remembered to have said. “Beauty and true order are modeled by him from the raw material of randomness and chaos.”

The particular verse which corresponds to the dance set featured in this track is the Vulgate text of Romans 10:15: Quomodo vero prædicabunt nisi mittantur? sicut scriptum est: Quam speciosi pedes evangelizantium pacem, evangelizantium bona! – And how shall they preach unless they be sent, as it is written: How beautiful are the feet of them that preach the gospel!

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa que ao ler esta página você se compromete contratualmente a concordar com a totalidade do seu conteúdo, obrigando-se ainda a alinhar suas crenças e prioridades às nossas; subscrever todas as nossas opiniões e juízos; acalentar, fomentar, promover e maravilhar-se diante da lucidez de tudo que dizemos até o fim dos seus dias