Perto dos lábios, longe do coração • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 04 de julho de 2006

Perto dos lábios, longe do coração

Existe ainda uma insatisfação crescente para com qualquer abordagem lógico-filosófica que não abre espaço para uma visão mais holística da nossa história. Em sua obra essencial, Theopoetic: Theology and the Religious Imagination, Amos Wilder afirma que é ao nível da imaginação que as questões de religião devem ser tratadas. Ele questiona o que chama de nossa “antiga dependência química a um modo de pensar analítico, racionalista e prosaico” e conclama a um uso mais generalizado da imaginação, pois ela é “componente necessário de todo verdadeiro conhecimento e celebração”. Wilder critica “o imbecilizante axioma de que a verdade genuína (ou a verdadeira sabedoria) deve limitar-se ao que pode ser enunciado sob a forma de prosa conceitual, em linguagem denotativa, despida de qualquer sugestão conotativa: num enunciado ou descrição de caráter científico”.

A teologia é para a narrativa bíblica o que a crítica literária é para a literatura: mero comentário sobre uma forma superior de expressão.

Thomas Driver diz a mesma coisa em Patterns of Grace:

Alguns teólogos tem começado a demonstrar interesse na importância da narrativa, sentindo que o nosso discurso lógico, científico e teológico é secundário. Compartilho dessa visão. Tenho há muito refletido que a teologia é para a narrativa religiosa o que a crítica literária é para a literatura: mero comentário executado sobre uma forma superior de expressão. Sou um dos que crêem que a teologia afastou-se demais, no curso do tempo, de suas raízes narrativas. Encontro-me não apenas concordando que toda teologia tem origem em narrativas, mas também ponderando que todo conhecimento provém de um modo dramático de compreensão. Longe de meramente ilustrar verdades que já conhecemos de algum outro modo, a imaginação dramática é o modo pelo qual damos os passos essenciais rumo ao conhecimento de qualquer natureza.

Sallie McFague acrescenta sua voz: “No momento em que se torna excessivamente abstrata, conceitual e sistemática, a teologia separa pensamento de vida, crença de prática e palavras de incorporação, tornando difícil, se não impossível, crermos no coração no que confessamos com os lábios”.

William J. Bausch, Storytelling: Imagination and Faith

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: Não pense. Se pensar, não fale. Se falar, não escreva. Se escrever, não assine. Se assinar, se vire que o problema é seu