Os processadores de texto mais maneiros da internet • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 24 de agosto de 2007

Os processadores de texto mais maneiros da internet

Estocado em Recomendações

Há coisa de dois anos pedi a São Google que me mostrasse um processador de texto online. Eu queria algo como o MS Word, mas que [1] eu pudesse usar a partir do meu navegador (digamos, o Internet Explorer) e [2] salvasse os arquivos num servidor da internet e não localmente no disco rígido do computador. Naquela época o Google encontrou-me uma única alternativa: um serviço pago de “Office Online”, claramente destinado a empresas e não a diletantes como eu. Corta para 2007: as opções de processador de texto online não páram de pipocar. A esmagadora maioria oferece gratuitamente tanto o serviço quanto o armazenamento dos seus arquivos.

Pra que alguém iria querer um processador de texto online? A primeira resposta está nisso mesmo, no fato de ser online. Você pode acessar os seus arquivos de texto, e continuar trabalhando neles, a partir de qualquer computador da Terra com ligação à internet. Na economia do escritório virtual, uma LAN House é ainda mais fácil de carregar do que um laptop.

Mas há mais. Para começar, o serviço é gratuito. Porque gastar grana comprando o MS Office ou banda larga baixando os 200 mB de instalação da suíte gratuita OpenOffice, se você pode abrir, editar, imprimir, publicar e salvar um texto no formato Word a partir de um processador de texto gratuito que você não precisa instalar e não interrompe em nada a sua experiência de navegação na internet? Hein? Hein? Hein?

Além disso, os serviços que testei salvam [automaticamente] versões incrementais do texto em que você está trabalhando. A qualquer momento você pode voltar atrás e reverter o arquivo para uma versão anterior de um dia ou de dois meses atrás, sem medo de perder dados ou de ser feliz. Finalmente, se você pensa em escrever ou revisar o seu texto em conjunto com alguém, os bons processadores de texto online fornecem escrita colaborativa, recurso pelo qual mais de um autor pode trabalhar no mesmo texto (e ao mesmo tempo!) sem que nenhuma alteração ou exclusão corra o risco de se mostrar irrevogável.

A única objeção importante ao uso de um processador de texto online estará, talvez, relacionada à segurança. “Meus arquivos são preciosos, não posso correr o risco de deixá-los num servidor da internet onde qualquer hacker pode acessá-los.” Está certo, mas se você guarda os seus documentos num computador com acesso à internet, não tem de qualquer maneira como estar inteiramente seguro. Além disso, deixar os seus arquivos armazenados num servidor não tem como ser muito mais arriscado do que, por exemplo, mandar um arquivo do Word como anexo num email. Como alguém já observou, quem quer completa privacidade e segurança deve viver inteiramente desplugado da internet.

Sou um testador compulsivo de software, especialmente os relacionados à composição e organização de textos. Experimentei, nos últimos meses, mais de uma dezena desses serviços online. Três deles achei especialmente utilizáveis e/ou promissores.

Clique nas imagens para ver a tela inteira.

Google Docs

O Google pode estar querendo dominar a Terra (veja-se o onipresente gmail, veja-se o incrível Google Earth), mas ele o faz de maneira tão simpática que é difícil sentir a dor, provavelmente até ser tarde demais.

Ano passado o Google comprou o atraente Writely e transformou-o no Google Docs, serviço que oferece além do processador de texto uma planilha virtual (para quem quer livrar-se não apenas do Word, mas também do Excel).

O Google Docs tem a aparência menos refinada mais clean das três opções que estou sugerindo aqui, mas é funcional e tremendamente estável. Além de abrir, criar, editar e salvar no seu computador um documento que editou, você pode ainda resolver publicá-lo na internet, tornando-o disponível para quem quiser ler, como fiz aqui.

O Google Docs abre arquivos html, texto (.txt), MS Word (.doc), Rich Text (.rtf), OpenDocument (.odt) e StarOffice (.sxw) e salva arquivos HTML, RTF, Word, OpenOffice, PDF e de texto.

É gratuito e roda diretamente no seu navegador (não é preciso instalar), mas para usar é preciso registrar uma conta fornecendo o seu endereço de email (ou sua conta no Google, se você já tiver uma).


O gerenciador de arquivos do Google Docs


A janela de edição do Google Docs

Zoho Writer

A funcionalidade de Zoho Writer é em tudo semelhante à do Google Docs, mas a aparência é mais bem talhada e intuitiva. O gerenciador de arquivos aparece como uma barra vertical (que você pode esconder) ao lado do texto em que você está trabalhando. Não é preciso, como no Google, gerenciar os seus arquivos e editá-los em janelas diferentes.

O Zoho Writer oferece uma versão completa que não requer registro por email; com ela você pode, por exemplo, abrir, editar e salvar um documento do Word no seu computador. Para ter acesso posterior aos seus arquivos no servidor é preciso registrar uma conta fornecendo o seu endereço de email.

Exatamente como o Google Docs, o Zoho Writer abre arquivos html, texto (.txt), MS Word (.doc), Rich Text (.rtf), OpenDocument (.odt) e StarOffice (.sxw) e salva arquivos HTML, RTF, Word, OpenOffice, PDF e de texto.

É gratuito e roda diretamente no seu navegador (não é preciso instalar). O Writer é apenas um dos serviços gratuitos oferecidos pela Zoho; o pacote inclui planilha, software de apresentação de slides, conferência à distância e um excelente caderno de notas inspirado no MS OneNote.


A tela principal do Zoho Writer


O Zoho Writer com o editor em tela inteira


O Writer com a barra do gerenciador de arquivos aparecendo temporariamente.

Buzzword
(em fase de teste, indisponível para o público geral)

E agora tem o Buzzword, que se anuncia como “o primeiro processador de texto de verdade da web”. O programa ainda está em fase de teste, mas vem recebendo todo tipo de atenção do público da internet – em parte por causa da interface maneira, em parte por usar uma tecnologia nova (Adobe AIR), em parte porque você precisa escrever uma história tocante para ganhar acesso a uma conta nesta fase beta.

Embora ainda não esteja oficialmente pronto, a aparência, a usabilidade e os recursos do Buzzword são refinadíssimos – seriam notáveis mesmo se o processador não fosse online. As barras de ferramentas são escamoteáveis, o texto flui automaticamente ao redor das imagens, as tabelas são fácilimas de editar, a página suporta cabeçalhos e rodapés – e você pode deixar anotações elegantes nas margens do texto que está revisando ou editando. A principal vantagem do Buzzword sobre os concorrentes, no entanto, está em que você pode visualizar (e editar) a página exatamente como será impressa.

Se você quer ficar de cara com os recursos do Buzzword, não deixe de ver o vídeo de demonstração aqui.

É gratuito e roda diretamente no seu navegador (não é preciso instalar), mas para conseguir uma conta nesta fase de teste você precisar escrever um email (em inglês) para signup@virtub.com.


A tela de entrada do Buzzword


A tela principal do Buzzword, com uma anotação na margem

A configuração da página no Buzzword


O texto fluindo automaticamente ao redor da uma imagem


O texto ajustando-se automaticamente quando a imagem é arrastada

* * *

Outras entradas notáveis:

  • Ajaxwrite – pronto para usar (não requer registro)
  • ThinkFree – robusto, talvez até demais
  • Writer – minimalista e cool (não requer registro)

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas está na internet