Os 25 Pontos do Programa de Hitler • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 04 de setembro de 2004

Os 25 Pontos do Programa de Hitler

Estocado em História · Política

O “credo político” do que viria a tornar-se o Partido Nazista, esboçado por Anton Drexler e Adolf Hitler. Esses 25 “princípios condutores” foram trazidos a luz em 24 de fevereiro de 1920, diante de “uma platéia de cerca de duas mil pessoas, que aplaudiram efusivamente cada ponto”.

1. Com base no princípio de auto-determinação dos povos, exigimos a união de todos os alemães numa Grande Alemanha.

2. Exigimos para o povo alemão direitos iguais aos das outras nações, e a revogação dos Tratados de Paz de Versailhes e de St. German.

3. Exigimos terras e território (colônias) para a manutenção do nosso povo e o assentamento de nossa população excedente.

4. Apenas os membros da nação podem tornar-se cidadãos. Apenas os que têm sangue alemão, independentemente de credo, podem ser membros da nação, portanto nenhum judeu pode ser membro da nação.

5. Aqueles que não são cidadãos devem viver na Alemanha como estrangeiros e submeter-se à lei dos estrangeiros.

6. O direito de escolher o governo e determinar as leis do Estado pertencerão apenas aos cidadãos. Exigimos portanto que nenhum cargo público, de qualquer natureza, seja no governo central, da província ou da municipalidade, seja ocupado por alguém que não seja cidadão.

Posicionamo-nos enfaticamente contra a corrupta prática parlamentar de prencher cargos seguindo meramente os interesses do Partido, sem atenção a questões de caráter ou aptidão.

7. Exigimos que o Estado faça seu dever primário prover condições de vida para os seus cidadãos. Se não for possível alimentar toda a população, os estrangeiros (não cidadãos) devem ser expulsos do Reich.

8. Qualquer imigração adicional de não-alemães deve ser impedida. Exigimos que requeira-se de todos os não-alemães que entraram na Alemanha depois de 2 de agosto de 1914 que deixem o Reich imediatamente.

9. Todos os cidadãos devem possuir direitos e deveres iguais.

10. O dever primeiro de cada cidadão deve ser executar trabalho mental ou físico. Nenhum indivíduo deve desempenhar qualquer atividade que ofenda os interesses da comunidade no benefício de todos.

Exigimos portanto:

11. A abolição de toda renda não advinda do trabalho.

O rompimento da escravidão dos juros.

13. Em vista dos enormes sacrifícios em termos de vidas e propriedade exigidos de uma nação em tempos de guerra, o enriquecimento pessoal através da guerra deve ser visto como crime contra a nação. Exigimos portanto o confisco irrestrito de todos os lucros de guerra.

13. Exigimos a nacionalização de todos os negócios corporativos (consórcios de empresas).

14. Exigimos o regime de participação nos lucros em grandes empreendimentos empresariais.

15. Exigimos o desenvolvimento intensivo de políticas de previdência para os idosos.

16. Exigimos a criação e a manutenção de uma classe média saudável, a imediata comunalização das grandes lojas de departamentos e seu arrendamento a pequenos negociantes sob taxas módicas, e que a máxima consideração seja demonstrada aos pequenos negociantes nos pedidos de compra emitidos pelo Estado e pelos municípios.

17. Exigimos uma reforma agrária adequada aos nossos interesses nacionais, a aprovação de uma lei que permita a desapropriação de terras para propósitos comunais sem necessidade de indenização; a abolição da cobrança do aluguel de terras e a proibição de toda atividade especulativa com a terra.

18. Exigimos a perseguição implacável daqueles cujas atividades mostram-se prejudiciais ao bem comum. Criminosos comuns, usurários, especuladores, etc, devem ser punidos com a morte, independentemente de credo ou raça.

19. Exigimos que a Lei Romana, que serve a uma visão de mundo materialista, seja substituída pela lei comum alemã.

20. O Estado deve estudar uma reestruturação completa do sistema nacional de educação (com o objetivo de abrir a todo alemão capaz e trabalhador a possibilidade de uma educação superior de modo a alcançar desenvolvimento pessoal). Os programas educacionais de todos os estabelecimentos de ensino devem ser alinhados com as exigências da vida prática. O objetivo da escola deve ser dar ao aluno, a partir do primeiro sinal de inteligência, uma compreensão da nação do Estado (através do estudo de assuntos cívicos). Exigimos a educação de filhos talentosos de pais pobres, de qualquer classe ou ocupação, às custas do Estado.

21. O Estado deve assegurar a elevação dos padrões nacionais de saúde através da proteção mães e crianças de colo; da proibição do trabalho infantil; da promoção da saúde física mediante uma legislação que preveja ginástica e prática desportiva compulsória; do apoio sistemático a clubes engajados na preparação física da juventude.

22. Exigimos a abolição do exército mercenário e a criação de um exército do povo.

23. Exigimos o combate judicial contra a deliberada inverdade política e sua disseminação pela imprensa. A fim de facilitar a criação de uma impressa nacional alemã, exigimos:

(a) que todos os editores e contribuintes de periódicos circulados em língua alemã sejam membros da nação;
(b) que nenhum periódico não-alemão possa circular sem a expressa permissão do Estado. Estes não devem ser impressos em língua alemã;
(c) que os não-alemães sejam proibidos por lei de participar financeiramente ou de influenciar jornais alemães, e que a penalidade pela transgressão desta lei seja a supressão do periódico em questão e a imediata deportação dos não-alemães envolvidos.
A publicação de periódicos não alinhados com os interesses nacionais deve ser proibida. Exigimos a perseguição legal de todas aquelas tendências artísticas e literárias que corrompem a vida nacional, e a supressão de eventos culturais que violem essa exigência.

24. Exigimos liberdade para todas as denominações religiosas dentro do Estado, desde que não ameaçem a existência do mesmo nem ofendam a sensibilidade moral da raça alemã.

O Partido como tal defende um cristianismo positivo, mas não se submete a nenhuma denominação em particular. Ele combate o espírito judaico-materialista dentro e fora do nosso meio, e está convencido de que nossa nação pode alcançar saúde permanente apenas de dentro, e com base no princípio que diz: O BEM COMUM PRECEDE O INTERESSE PESSOAL.

25. A fim de implantar este programa por completo exigimos a criação de um forte poder central para o Reich; a autoridade incondicional do parlamento político central sobre todo o Reich e suas organizações; a formação de cooperativas baseadas em situação social e ocupacional com o propósito de aplicar nos diversos estados alemães a legislação geral aprovada pelo Reich.

Os líderes do Partido prometem trabalhar implacavalmente – se preciso for com o sacrifício de suas próprias vidas – para traduzir este programa em realidade.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não tem mais o que fazer