O Salário de Spielberg • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 29 de junho de 2008

O Salário de Spielberg

Estocado em Filmes

Este documento contém clipes de vídeo que só podem ser visualizados na página da Bacia na internet.

A tensão das pequenas coisas

Dos contadores de histórias que não contam suas histórias através de livros, nenhum terá me fascinado mais cedo, de forma mais desarmante e com maior freqüência do que Steven Spielberg.

Spielberg tem um vocabulário visual que é particularmente seu; um modo peculiar de enquadrar, acompanhar e fornecer ritmo à história. Encontro essa sua assinatura em todo lugar, quer o diretor esteja contando uma história de aventura, um drama ou uma comédia.

Sempre achei que esses preciosismos visuais fossem exclusividade de Spielberg, mas isso foi até ver, há alguns meses, O Salário do Medo (Le Salaire de la peur), produção ítalo-francesa de 1953 dirigida por Henri-Georges Clouzot. Encontrei em primeiro lugar um filme extraodinário, ao mesmo drama niilista, aventura deliciosa e suspense impensável (sendo que o filme, incrivelmente, não perde peso em favor ou em detrimento de qualquer uma dessas categorias).

Porém o que deixou-me inteiramente perplexo deliciado foi encontrar em Clouzot uma série de maneirismos que sempre achei serem exclusividade de Spielberg. Penso, mais do que qualquer outra coisa, na maneira como o diretor norte-americano trabalha suas sequências de modo a extrair grandes doses de suspense a partir de pequenos elementos do cenário — o copo com água começa a vibrar e pressentimos a aproximação do tiranossauro; as bóias sobem para a superfície e sabemos que o tubarão está perto.

O Salário do Medo se passa num local remoto e não especificado da América do Sul. Uma refinaria norte-americana pega fogo, e a companhia contrata quatro europeus, sujeitos dispostos a qualquer coisa se for para ganhar algum dinheiro, para levarem sertão adentro os dois caminhões de nitroglicerina necessários para apagar o incêndio.

Nesta sequência o segundo caminhão do comboio chega a um trecho da estrada em que há uma curva tão acentuada que é necessário manobrar o caminhão sobre uma plataforma de madeira suspensa sobre o abismo.

O arquivo tem 40 MB, mas se você for assistir vá até o fim. Os dois últimos minutos são particularmente spielberguianos.

(na marca de 01m33s há um corte abrupto que não faz parte do original; eliminei um diálogo em francês inteiramente incompreensível .)

[flv:https://baciadasalmas.s3.amazonaws.com/movies/2008-06-29-peur.flv 480 420]

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não se responsabiliza por aparecer em alguns blogrolls ao lado do Júlio Severo