O ofício da subversão • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 26 de novembro de 2010

O ofício da subversão

Estocado em Goiabas Roubadas

[As parábolas de Jesus] subvertiam o modo convencional de se enxergar Deus e a vida. Elas questionavam um “mundo”, um modo consolidado de se ver “as coisas como elas são”. As parábolas de Jesus convidavam seus ouvintes a abraçar um modo diferente de se enxergar a natureza das coisas e de se viver a vida. Na sua qualidade de convite para que as coisas fossem vistas de modo diverso, eram subversivas. De fato, enxergar de modo diverso talvez seja o fundamento de toda subversão.

E, do mesmo modo que Jesus contou histórias subversivas a respeito de Deus, seus seguidores contaram histórias subversivas a respeito de Jesus. O evangelho está repleto delas. Os seguidores de Jesus aprenderam bem a contar histórias subversivas, e podemos presumir que aprenderam o ofício com ele.

Marcus J. Borg e John Dominic Crossan, em The First Christmas

Leia também:
Pequenas narrativas parciais
Uma narrativa e um narrador de peso
Faça o que os outros não esperam

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não se responsabiliza por aparecer em alguns blogrolls ao lado do Júlio Severo