O ataque das larvas malditas • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 03 de julho de 2006

O ataque das larvas malditas

Estocado em Pormenor

Periodicamente, mas de forma mais espetacular esta última semana, o pomar do Monastério é invadido por hordas de lagartas negras que se agrupam em dezenas centenas de falanges fervilhantes, informes e mais ou menos inteligentes. É ao mesmo tempo repulsivo e hipnótico – menos hipnótico se for antes do café da manhã.

Desconhecemos por aqui de que bicho se trata, ou se é mesmo desse mundo. As lagartas nunca são vistas subindo em troncos, comendo folhas ou fazendo qualquer outra coisa que não seja despencarem obscenamente umas sobre as outras e caminhar sem rumo aparente sobre o gramado. As galinhas, que não poupam cobras ou aranhas marrons, evitam-nas ressabiadas.

À noite essas negras entidades cercam a casinha de madeira e revelam em voz de zumbido que mantém o cérebro de Lovecraft boiando dentro de um cilindro de metal numa dimensão paralela, mas eu faço de conta que não escuto.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não tem imagens de gatinhos, fora uma ou outra