Matusalém • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 09 de junho de 2008

Matusalém

Estocado em Goiabas Roubadas

AS DEZ GERAÇÕES: Matusalém

Depois do traslado de Enoque, Matusalém foi proclamado governante da terra por todos os reis. Ele seguiu nas pegadas do pai, ensinando a verdade, o conhecimento e o temor de Deus aos filhos dos homens durante toda a sua vida, sem desviar-se do caminho da retidão nem para a esquerda nem para a direita.

Matusalém livrou o mundo de milhares de demônios, a posteridade que Adão havia gerado com Lilith, a mais demoníaca entre os demônios-fêmea. Esses demônios e espíritos malignos buscavam ferir e mesmo matar qualquer homem que encontrassem, até que Matusalém apareceu suplicando pela misericórdia de Deus.

Ele passou três dias em jejum, depois do que Deus deu a ele permissão de escrever o seu Nome Inefável numa espada, com a qual matou noventa e quatro miríades de demônios num unico minuto — até que Agrimus, o primogênito dentre eles, veio até Matusalém implorando que ele parasse, ao mesmo tempo em que lhe entregou os nomes dos demônios e diabretes. Assim Matusalém prendeu os reis deles em cadeias de ferro, enquanto que os restantes fugiram e esconderam-se nas câmaras e recessos mais interiores do oceano. E foi por causa dessa maravilhosa espada, por meio da qual os demônios foram mortos, é que ele recebeu o nome de Matusalém/homem da lança.

Era homem tão piedoso que compunha duzentas e trinta parábolas em louvor a Deus para cada palavra que proferia. Quando ele morreu as pessoas ouviram uma grande comoção no céu, e viram novecentas fileiras de lamentadores, correspondendo às novecentas ordens da Mishná que ele havia estudado, e lágrimas rolaram dos seres santos sobre o lugar em que ele havia morrido. Vendo a dor dos celestiais, as pessoas na terra também lamentaram o fim de Matusalém, e Deus por essa razão os recompensou, acrescentando sete dias ao tempo de graça que havia ordenado antes de trazer a destruição sobre a terra por meio de um dilúvio de água.

* * *

Lendas dos Judeus é uma compilação de lendas judaicas recolhidas das fontes originais do midrash (particularmente o Talmude) pelo talmudista lituano Louis Ginzberg (1873-1953). Lendas foi publicado em 6 volumes (sendo dois volumes de notas) entre 1909 e 1928.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não substitui uma alimentação saudável e exercícios regulares