1936, Plínio Salgado: Carta aos inconscientes • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 23 de agosto de 2004

1936, Plínio Salgado: Carta aos inconscientes

Estocado em Documentos · Política

Plínio Salgado era, por tudo que se sabe, um sujeito bem-intencionado. O escritor e sociólogo participou ativamente da Semana de 22, publicou um romance que ergueu-o por diversos anos ao posto de figura mais proeminente do Modernismo brasileiro, foi Deputado Estadual e membro da Academia Brasileira de Letras; católico zeloso, escreveu uma reverente Vida de Jesus – que, pelo tamanho do volume que vi na casa do meu tio João, tem de ser mais extensa do que o próprio Novo Testamento. Mesmo anos depois que o movimento político que deflagrou virou estigma e perdeu todo destaque que teve no cenário nacional, nada no seu currículo deixa entrever que Plínio Salgado tenha agido de má-fé.

“A direita é a união sagrada em torno da Bandeira da Pátria, das tradições nacionaes, é a virtude, é a castidade, é o heroísmo, é a religiosidade, é a delicadeza de sentimentos, é o pudor individual e collectivo, é o sacrifício, é a honra de uma nação.”

Em 1932, dois anos depois de uma viagem à Europa na qual conheceu o fascismo italiano e encontrou-se com Mussolini, Salgado fundou a Ação Integralista Brasileira – uma contrapartida tupiniquim dos movimentos fascistas europeus. Embora sustentasse algumas idéias poderosas e originais e apresentasse o Integralismo como “a última expressão do espírito bandeirante”, é tentador enxergar o movimento integralista como uma aventura cabocla calcada na máquina ideológica de Hitler – completa com suas próprias versões da suástica, da saudação nazista, dos ambiciosos desfiles, do antisemitismo (veja a menção aos “livrecos enviados pela França judaizada”, na página 3 da Carta abaixo) e da Juventude Hitlerista.

Os integralistas defendiam, como os nazistas, um discurso político muito peculiar: entre outras coisas, eles eram radicalmente contra os comunistas-marxistas, contra a democracia liberal e contra o capitalismo.

Encontrei esta Carta aos inconscientes entre os documentos do meu tio-avô Reynaldo Purim.

Clique para ver as páginas 1 e 4

Clique para ver as páginas 2 e 3

“Chamam-n’os de extremistas. Não somos extremistas da ambição e da violência mas somos extremistas da dignidade do Brasil. Somos extremistas em nosso amor a Deus. Somos extremistas no culto das virtudes.”

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é a peleja do Carnaval com a Quaresma