Baal • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 20 de maio de 2006

Baal

Estocado em Bluteau

BAAL, Baâl. He Palavra Phenicia, que val o mesmo que Senhor. Debaixo desse nome Real adoravam os Phenicios ao seu principal idolo; os Babylonios, & os Caldeos adoravaõ ao seu debaixo do nome de Bel ; & segundo a observação de alguns Authores, Bel & Bealim, são Pluraes de Baal, & na sagrada Escritura sam os nomes de diversas Deidades. Foram muitas, & muito differentes as accepçoens destes nomes, Baal, Bel & Baalim. Alexandre cognominado Polyhistor, diz que os Chaldeos se jactavam de ter uns comentários de quinze mil annos, nos quais se fazia mençam das grandezas do seu Bel, como criador do mundo. Com o discurso do tempo, degenerando a piedade em superstiçam, o sol, respeitado como Deos do Ceo, foi adorado debaixo do nome de Bel; depois se deu o nome de Bel, ou Baal aos mais astros celestes, e finalmente aos Reys. Aos fabulosos Deoses Marte, & Jupiter se deram estes mesmos nomes de Baal, & Bel; & primeiro que o mao uso corrõpesse com a idolatria o nome de Baal, sem criminosa aplicaçam os Hebreos o appropriavam a Deos, o que finalmête prohibio Deos. He opiniam commua, que Baal foi o primeiro idolo do mundo, & origem de toda a Idolatria. Segundo outra acepçam Baal, ou Bel, é aquele Nembrode do qual a Escritura faz mençam no cap. 11 do Genesis; era filho de Chus, que foi filho de Saturno, era neto de Cham, & bisneto de Noe.

Baâl. Também he um dos nomes, & titulos, que a cegueira humana deu ao Demonio.
,Chamaramlhe Belial os Ninivitas.
,Babylonia Baâl, & Acheronto,
,Os Philisteos Dagon, & os Moabitas
,Beelfegor, nome infame de Ellespõto.
,Por Bacco, por Behemot, por infinitas
,Sortes de Nomes vaõs, que não tê conto;
,Foi na terra adorado em toda parte
,E de Israel por Baâl, Camos, & Astarte.
Malaca conquist. livro I.oit.48.

Baâl. Cidade do Tribu de Benjamim. Também Baâl he o nome de um Levita, filho de Abigabaon, & de Maacha. Em Phenicia houve um Rey de Tyro, chamado Baâl, o qual succedeo a Ithobelo.

BAALA, Baâla, Por outro nome Cariat hiarim. He huma Cidade do Tribu de Judâ nos confins do Tribu de Benjamim, na qual ficou depositada por espaçõ de 20 annos a Arca, na casa de hum homem santo, chamado Aminadab. Josue, 15.28, I.Reg.7.

BAALBERITH. Baalberîth. Cidade do Tribu de Manasses alem do Rio Jordão. Tambem he o nome de hum Templo na Cidade de Sichem, muito sumptuoso, & muito rico, dedicado ao idolo Baâl.

BAAL-GAD. Baal-gâd. Derivase de Baâl, Senhor, ou Deos, & de Gâd, Fortuna. Era um Idolo dos Assirios, a que elles chamavam tambem de Bagad, ou Begad, de sorte que Baal-gâd vinha a ser o mesmo que Senhor, ou Deus da boa fortuna. Dizem que em Alemanha costumaõ os Judeos escrever nas portas de suas casas Bagad, ou Mazaltob, que val o mesmo que Boa fortuna, ou Bom Genio, com esperança de attrahirem grandes prosperidades para a sua familia.

BAALI. Cidade do deserto da Arabia, assim chamada por ser sepultura de Ali, Genro de Mafoma. Assentada numa dilatada campina está cercada de altos muros, fortificada com torres, & ornada de Pyramides. Canos subterraneos lhe trazem agoa do Euphrates de tres legoas de distancia. Na Relação da sua viagem pag. 120. o P. Man. Godinho a descreve amplamente.

BAARAS. He um lugar da syria, no monte Lybano, & juntamente he o nome de huma prodigiosa planta, que sô no ditto lugar se acha no caminho, que vai para Damasco. No livro 7 da guerra Judaica, cap.23. escreve Joseph Hebreo, que no Mez de Mayo, quando se derretem as neves, sahe esta planta, com singulares propriedades, que vindo


Vocabulario Portuguez e Latino (1712-1728), Raphael Bluteau

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa que ao ler esta página você se compromete contratualmente a concordar com a totalidade do seu conteúdo, obrigando-se ainda a alinhar suas crenças e prioridades às nossas; subscrever todas as nossas opiniões e juízos; acalentar, fomentar, promover e maravilhar-se diante da lucidez de tudo que dizemos até o fim dos seus dias