As gerações perversas • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 16 de março de 2009

As gerações perversas

Estocado em Goiabas Roubadas

ABRAÃO: As gerações perversas

Entre Noé e Abraão houve dez gerações; isso ocorreu de modo a demonstrar a clemência de Deus, porque todas essas gerações provocaram a sua ira, até que nosso pai Abraão veio e recebeu a recompensa por todas. Foi por causa de Abraão que Deus se mostrou longânimo e paciente durante as vidas dessas dez gerações.

Não apenas isso, o próprio mundo foi criado devido aos méritos de Abraão. Seu advento foi revelado a seu ancestral Reú, que proferiu a seguinte profecia por ocasião do nascimento de seu filho Serugue: “Desta criança, na quarta geração, nascerá aquele que fará sua habitação no altíssimo; ele será chamado de perfeito e sem mácula e será pai de nações; sua aliança não será anulada, e sua descendência se multiplicará para sempre.”

Na verdade já não era sem tempo que o “amigo de Deus” aparecesse sobre a face da terra. Os descendentes de Noé estavam afundando cada vez mais na devassidão; começavam a envolver-se em disputas e assassinatos, a comer sangue, a construir cidades fortificadas e muralhas e torres, a colocar um único homem como rei sobre toda a nação, a travar guerras, povo contra povo, nação contra nação e cidade contra cidade; praticavam toda sorte de maldade, adquirindo armas e ensinando a arte da guerra a suas crianças. Começaram a fazer prisioneiros e vendê-los como escravos. Começaram a fazer para si imagens fundidas, cada um passando a adorar a imagem fundida que fizera para si, pois os espíritos malignos, sob a liderança de Mastema, desviavam-nos para o caminho do pecado e da impureza. Por essa razão Reú deu a seu filho o nome de Serugue/ramificado, porque toda a humanidade se desviara para o caminho do pecado e da transgressão. Quando Serugue atingiu a maioridade ficou demonstrado que o nome fora bem escolhido, pois ele também adorou ídolos, e quando teve ele mesmo um filho, chamado Naor, instruiu-o nas artes dos caldeus, ensinando-o a ser adivinho e praticar artes mágicas de acordo com os sinais dos céus.

Quando chegou a hora e Naor teve um filho, Mastema mandou corvos e outros pássaros para que despojassem a terra e roubassem dos homens os frutos de seu trabalho. Logo que deitavam a semente no sulco do arado, e antes que pudessem cobri-la com terra, os pássaros vinham e levavam-na da superfície do solo. Por isso Naor deu a seu filho o nome de Tera/vagabundo, porque os corvos e outros pássaros atormentavam os homens e devoravam suas sementes, reduzindo-os à miséria.

* * *

Lendas dos Judeus é uma compilação de lendas judaicas recolhidas das fontes originais do midrash (particularmente o Talmude) pelo talmudista lituano Louis Ginzberg (1873-1953). Lendas foi publicado em 6 volumes (sendo dois volumes de notas) entre 1909 e 1928.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas já foi refutada mais de uma vez por teólogos abalizados