Amátia • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 18 de fevereiro de 2006

Amátia

Estocado em Goiabas Roubadas

Esta é para minha AMada kÁTIA Klassen, que a recatada e oculta Mão divina (fantasiada de cego e babão Destino) reapresentou-nos ontem. Enxergo nessa poesia, que mandei certa vez à Kátia e ela agora trouxe-me à lembrança, todas as raízes do meu malogrado Manifesto Enganismo.

Timbórica, morfia, ó persefessa,
meláina, andrófona, repitimbídia,
ó basilissa, ó scótia, masturlídia,
amata cíprea, calipígea, tressa

de jardinatas nigras, pasifessa,
luni-rosácea lambidando erídia,
erínea, erítia, erótia, erânia, egídia,
eurínoma, ambológera, donlessa.

Áres, Hefáistos, Adonísio, tutos
alipigmaios, atilícios, futos
da lívia damitada, organissanta,

agonimais se esforem morituros,
necrotentavos de escancárias duros,
tantisqua abradimembra a teia canta.

Jorge de Sena, 1961

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é um labirinto