A raça superior • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 26 de dezembro de 2004

A raça superior

Estocado em Fé e Crença · História

Surpreende-me não que os nazistas supusessem (com base em falsa ciência, como ficou provado) que os arianos fossem uma raça de algum modo “superior”, mas que eles acreditassem sinceramente que, como raça superior, tinham o direito de relegar a um segundo plano e de eliminar segundo a sua conveniência os membros das raças que eles sabiam “inferiores”.

A grandeza, segundo essa visão, é caracterizada pela liberdade com que o superior pode dispor do inferior – pelo quanto é livre para escanteá-lo, ignorá-lo, dominá-lo, usá-lo como capacho e como bucha de canhão e por fim, sendo necessário, livrar-se dele da forma menos inconveniente possível. A raça superior, supõe esse raciocínio, não teria nenhuma outra para prestar contas: ninguém para respeitar, ninguém diante de quem se curvar, ninguém para impedi-la de alcançar os seus objetivos “superiores”.

Os nazistas perderam a guerra mas triunfaram da forma mais abrangente em deixar o mundo pós-Guerra (o nosso mundo) impregnado desse sentimento e dessa pregação. Hoje em dia virtualmente todos no mundo ocidental acreditam e vivem pelo conceito aparentemente tão auto-explicativo de que quem é “superior” tem direitos inerentes sobre quem é “inferior”. O capitalismo, que os nazistas tanto desprezavam, está baseado no mesmo conceito que os norteava: o superior pode e deve ganhar com o serviço do inferior.

Vale lembrar que o cristianismo está fundamentado em premissas diametralmente opostas, pelo menos tão imediatamente incompatíveis com o capitalismo quanto com o nazismo. Segundo a visão tão ultrapassada de Jesus, grande é quem ousa curvar-se diante do inferior e servi-lo. A grandeza é caracterizada pela renúncia voluntária; como enfatizou Henry Nouwen, quem quer ser realmente grande precisa aprender a descer até a grandeza.

Esquecemos, todos nós, cristãos ou não, e da forma mais conveniente, tanto do holocausto quanto das exigências insanas de Jesus: somos todos nazistas agora, todos egoístas esclarecidos, todos absolutamente convictos de que somos dignos de nossos privilégios, pelo menos naquilo que nos sabemos superiores a – pelo menos – tantos.

Apenas a raça superior sobreviveu à guerra.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não quer partir do pressuposto de que só porque discordamos um de nós está necessariamente certo