A queda dos anjos • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 24 de março de 2008

A queda dos anjos

Estocado em Goiabas Roubadas

AS DEZ GERAÇÕES: A queda dos anjos

A depravação da humanidade, que começou a manifestar-se no tempo de Enos, havia se multiplicado enormemente no tempo de seu neto Jarede, devido à queda dos anjos. Quando viram as belas e atraentes filhas dos homens, os anjos cobiçaram-nas, e disseram:

– Tomaremos esposas apenas dentre as filhas dos homens, e geraremos filhos com elas.

Seu líder Shemhazai disse:

– Temo por mim que vocês não coloquem esse plano de vocês em execução, e seja apenas eu a sofrer as conseqüências de um grande pecado.

E eles todos responderam:

– Faremos um juramento, comprometendo-nos individualmente e em grupo a não abandonarmos o plano, mas levá-lo a cabo.

Duzentos anjos desceram ao cume do monte Hermom, que deve seu nome a esta precisa ocasião, pois os anjos haviam jurado cumprir seu propósito sob pena de Herem/anátema. Sob a liderança de vinte capitães eles se macularam com as filhas dos homens, às quais ensinaram feitiços, encantos, o modo correto de se cortar raízes e a eficácia das plantas. O resultado desses casamentos mistos foi uma raça de gigantes de três mil varas 1Uma vara (inglês ell) tem 45 polegadas ou 1.143m. de altura, os quais consumiram os recursos dos homens. Quando todas as reservas haviam se esgotado, e vendo que não podiam obter mais nada deles, os gigantes voltaram-se contra os homens e devoraram muitos deles, e o restante dos homens começou a transgredir contra as aves, animais selvagens, répteis e peixes, comendo sua carne e bebendo seu sangue.

A terra então protestou contra esses malfeitores, mas os anjos decaídos continuaram a corromper a humanidade. Azazel ensinou os homens a fazerem facas, armas, escudos e cotas de malha para usarem em carnificinas. Mostrou-lhes os metais e como trabalhá-los, bem como pulseiras e toda espécie de quinquilharias; ensinou-os a usar ruge nos olhos e a embelezarem os cílios, e a se enfeitarem com as jóias mais raras e preciosas e toda sorte de tintas. O chefe dos anjos caídos, Shemhazai, instruiu-os a respeito de exorcismos e da técnica de cortar raízes; Armaros ensinou-os a conjurar feitiços; Barakel, a divinação pelas estrelas; Kawkabel, a astrologia; Ezekil, a augurar através das nuvens; Arakiel, a ler os sinais da terra; Samsawil, os sinais do sol; e Seriel, os sinais da lua.

Enquanto todas essas abominações corrompiam a terra, o piedoso Enoque vivia num lugar secreto. Ninguém dentre os homens conhecia seu local de residência, ou sabia o que havia acontecido com ele, pois ele habitava com os anjos sentinelas e os santos. Certa ocasião ele ouviu uma voz endereçada a ele:

– Enoque, você que é um escriba de integridade, vá até os sentinelas do céu, que abandonaram o alto céu, o lugar de eterna santidade, a fim de se contaminarem com mulheres, fazendo o que homens fazem, tomando esposas para si e entregando-se nos braços da destruição sobre a terra. Vá e anuncie a eles que não encontrarão paz nem perdão; todas as vezes que tiverem alegria em sua descendência eles verão a morte violenta dos seus filhos, e suspirarão diante da ruína de suas crianças. Orarão e suplicarão para sempre, mas jamais obterão misericórdia ou paz.

Enoque foi até Azazel e os demais anjos caídos, a fim de anunciar a condenação proferida contra eles. Ficaram todos apavorados; tomados de tremor, imploraram a Enoque que preparasse para eles uma petição e fosse lê-la para o Senhor do céu, pois eles não podiam falar com Deus como antes, nem levantar os olhos para o céu, por vergonha diante dos seus pecados.

Enoque fez o que eles pediam, e numa visão foi-lhe concedida a resposta que ele deveria levar de volta aos anjos. Em sua visão Enoque foi elevado ao céu sobre nuvens, e colocado diante do trono de Deus. Deus disse:

– Vá e diga aos sentinelas do céu que o mandaram para interceder por eles: “Na verdade eram vocês que deveria pedir em favor dos homens, não homens em favor de vocês. O que levou vocês renegaram os céus elevados, santos e eternos, e poluir-se com as filhas dos homens, tomando-as como esposas, fazendo como as raças da terra e gerando gigantes? Os gigantes gerados pela união de seres de carne e seres espirituais serão chamados na terra de espíritos malignos, e a terra será a habitação deles. Espíritos malignos procederão de seus corpos, pois foram criados do alto, e os santos sentinelas são seu princípio e sua origem; serão espíritos malignos sobre a terra, e de espíritos malignos serão chamados. Os espíritos do céu têm o céu por habitação, mas a habitação dos espíritos da terra, nascidos sobre a terra, é a terra. Os espíritos dos gigantes irão devorar, oprimir, atacar, guerrear e causar destruição sobre a terra, e infligirão tormento. Não consumirão nenhuma espécie de comida, tampouco terão sede, e serão invisíveis. Esses espíritos se levantarão contra os filhos dos homens e contra as mulheres, porque procederam delas. Desde os dias do assassinato e da destruição e da morte dos gigantes, momento em que os espíritos abandonarem a alma de sua carne, a fim de destruírem sem incorrerem em julgamento – assim eles destruirão até o dia em que seja consumada a grande consumação do grande mundo”. Agora, quanto aos sentinelas que o enviaram para interceder por eles, que residiam anteriormente no céu, diga a eles: “Vocês estavam no céu, e embora as coisas ocultas não tivesse ainda sido reveladas a vocês, vocês conhecem mistérios sem valor, e na dureza do seu coração repassaram esses mistérios para as mulheres, e através deles homens e mulheres ocasionam muita maldade sobre a terra”. Diga portanto a eles: “Vocês não tem paz!”

* * *

Lendas dos Judeus é uma compilação de lendas judaicas recolhidas das fontes originais do midrash (particularmente o Talmude) pelo talmudista lituano Louis Ginzberg (1873-1953). Lendas foi publicado em 6 volumes (sendo dois volumes de notas) entre 1909 e 1928.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Notas   [ + ]

1. Uma vara (inglês ell) tem 45 polegadas ou 1.143m.
Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é onde as ideias vem para morrer