A queda de Satanás • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 17 de janeiro de 2007

A queda de Satanás

Estocado em Goiabas Roubadas · Ilustração

Clique para ampliar

ADÃO: A queda de Satanás

As extraordinárias qualidades com que Adão foi abençoado, tanto físicas quanto espirituais, suscitaram a inveja dos anjos. Esses tentaram consumi-lo com fogo, e ele teria perecido, não tivesse a mão protetora de Deus se estendido sobre ele, e estabelecido a paz entre ele e os exércitos celestiais.

Satanás, em particular, tinha ciúme do primeiro homem, e seus maus pensamentos levaram por fim à sua queda. Depois de ter dotado Adão de alma, Deus convidara todos os anjos para virem e prestarem-lhe reverência e homenagem. Satanás, o mais insígne anjo do céu, dotado de doze asas ao invés das seis de todos os outros, recusara-se a obedecer à ordem de Deus, dizendo:

– Criaste a nós, os anjos, a partir do esplendor da Shekiná, e agora ordenas que nos prostremos diante da criatura que moldaste do pó da terra!

Deus respondeu:

– Todavia o pó da terra exibe mais sabedoria e entendimento do que você.

Satanás exigiu uma prova de inteligência com Adão, e Deus assentiu, dizendo:

– Criei animais selvagens, pássaros e répteis. Tra-los-ei a todos diante de você e de Adão. Se você for capaz de dar nomes a eles, mandarei que Adão lhe preste homenagem, e você habitará junto à Shekiná da minha glória. Caso contrário, no entanto, se Adão chamá-los pelos nomes que designei a eles, você se sujeitará a Adão, e ele terá um lugar no meu jardim, e o cultivará.

“Preste adoração à imagem de Deus!”

Assim disse Deus e dirigiu-se ao Paraíso, seguido por Satanás. Quando viu a Deus, Adão disse a sua mulher:

– Venha, adoremos e prostemo-nos; ajoelho-mo-nos diante do Senhor, nosso Criador.

Satanás tentou então atribuir nomes aos animais, tendo fracassado nas duas primeiras tentativas, o touro e a vaca. Deus conduziu dois outros animais até diante dele, o camelo e o jumento, com o mesmo resultado. Deus voltou-se então para Adão, e questionou-lhe a respeito dos nomes dos mesmos animais, construindo suas perguntas de modo a que a primeira letra da primeira palavra fosse a primeira letra do nome do animal posto diante dele. Desta forma Adão foi capaz de adivinhar os nomes corretamente, e Satanás viu-se forçado a reconhecer a superioridade do primeiro homem. Ele porém irrompeu em clamores bárbaros que atingiram o céu, recusando-se a prestar homenagem a Adão como lhe havia sido ordenado.

O exército de anjos comandado por Satanás agiu da mesma forma, a despeito dos protestos de Miguel, que foi o primeiro a prostrar-se diante de Adão a fim de dar exemplo aos outros anjos. Miguel dirigiu-se a Satanás:

– Preste adoração à imagem de Deus! Se você se recusar, o Senhor Deus lançar-se-á em cólera contra você.

Satanás retrucou:

– Se ele se lançar em cólera contra mim, exaltarei meu trono acima das estrelas de Deus, e serei como o Altíssimo!

Imediatamente Deus lançou Satanás e seu exército para fora do céu sobre a terra, e é daquele momento que data a inimizade entre Satanás e o homem.

Lendas dos Judeus é uma compilação de lendas judaicas recolhidas das fontes originais do midrash (particularmente o Talmude) pelo talmudista lituano Louis Ginzberg (1873-1953). Lendas foi publicado em 6 volumes (sendo dois volumes de notas) entre 1909 e 1928.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é constrangedoramente grande