A natureza concreta e tangível de alguns de meus horrores • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 05 de janeiro de 2011

A natureza concreta e tangível de alguns de meus horrores

Estocado em Goiabas Roubadas

A necessidade emocional por um escape das certezas terrestres permanece, para uma minoria definida e permanente, genuína e por vezes acentuada.

Em meus esforços para cristalizar essa ânsia de conexão com o cosmo, tento utilizar o maior número possível dos elementos que, debaixo de condições mentais e emocionais anteriores, forneceram ao homem um senso do irreal, do etéreo e do místico — escolhendo os menos atacados pelas realistas condições mentais e emocionais do presente. Trevas — entardecer — sonhos — névoas — febre — loucura — a tumba — as colinas — o mar — o céu — o vento — todas essas e muitas outras coisas parecem ter retido uma certa potência imaginativa apesar das existentes análises científicas delas. Em conformidade com isso, tenho procurado costurá-las numa espécie de vaga fantasmagoria que pode ter a mesma vaga coerência de um ciclo tradicional de mito ou de lenda — tendo como nebuloso pano de fundo Antigas Forças e entidades trans-galáticas que espreitam este planeta infinitesimal (e naturalmente outros), estabelecendo aqui postos avançados e ocasionalmente eliminando outras formas acidentais de vida (tais como seres humanos) a fim de estabelecerem completa habitação. Esta é essencialmente a noção prevalente na maior parte das mitologias raciais — porém uma mitologia artificial pode tornar-se mais sutil e mais plausível do que uma natural, por ser capaz de reconhecer e adaptar-se à informação e ao espírito da época presente.

[…] Tendo formado um panteão cósmico, resta para o fantasista conectar esse elemento “exterior” à terra de forma adequadamente dramática e convincente. Isso, tenho ponderado, se faz melhor através de alusões indiretas à imemorialidade de cultos e ídolos antiquíssimos e de documentos que atestem o reconhecimento de forças “exteriores” por parte de homens — ou por daquelas entidades terrestres que precedem o homem.

O efetivo clímax de contos baseados nesses elementos estão naturalmente relacionados a repentinas intrusões contemporâneas de antiquíssimas forças esquecidas na superfície plácida do conhecido — quer sejam intrusões efetivas ou revelações causadas por febris e arrogantes sondagens do desconhecido por parte de homens.

Com frequência a mera sugestão de que essas antiquíssimas forças esquecidas possam existir consiste na espécie mais efetiva de clímax — na verdade não estou certo, mas talvez essa seja a única espécie de clímax possível numa fantasia genuinamente madura. Tenho recebido inúmeras críticas pela natureza concreta e tangível de alguns de meus horrores cósmicos. Variantes do tema geral incluem falhas nas leis visíveis do tempo — estranhas justaposições de eras amplamente separadas — e transposições das linhas limítrofes do espaço euclidiano; esses dois e o sempre frutífero artifício de uma viagem humana para o interior de interditas profundezas celestiais. […] O sobrenatural deve ser idealmente sugerido em vez de abertamente apresentado, e maravilhas impossíveis devem dentro do possível consistir de hipotéticas extensões da realidade em vez de contradições óbvias e diretas dela.

H. P. Lovecraft, refletindo sobre seu método
em carta de 22 de setembro de 1932 a Harold S. Farnese

Leia também:
POST MORTEM

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: desta vida tudo se leva