A narrativa divina • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 30 de março de 2006

A narrativa divina

Estocado em Fé e Crença

QUANDO OUVIRAM pela primeira vez a palavra da Lei nos Dez Mandamentos, conta a velha história rabínica, os israelitas desfaleceram. Suas almas os deixaram. A palavra então retornou a Deus e bradou:

– Ah, Soberano do Universo, tu vives eternamente e tua Lei vive eternamente. Mas enviaste-me a mortos. Estão todos mortos!

Por essa razão Deus teve misercórdia e tornou sua palavra mais palatável. Essa história traz duas lições. Primeiro que a palavra de Deus é poderosa. É sua própria identidade, e “quem pode resistir à sua presença?” Em segundo lugar, para tornar sua palavra-presença mais palatável, Deus encontrou uma solução: recontou-a sob a forma de histórias.

Por quê? Haverá nas histórias algo que por sua própria natureza expressa os caminhos e a mente de Deus mais do que qualquer outra expressão? Será porque a narrativa é uma incontrolável “energia de conhecimento” que liga uma pessoa a outra, uma geração a outra e em última instância todos a Deus? Será na verdade a história – falada, escrita, encenada, pintada, esculpida, desenhada, cantada – um eco da nossa origem, um elo-tradição que nos liga a nossos começos, uma ressonância de alguma realidade ancestral?

William J. Bausch, Storytelling: Imagination and Faith

Leia também:
A comprovação da arte – J. R. R. Tolkien
Mito e metáfora – Joseph Campbell

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas apoia causas perdidas