A lambedeira lambeu o Zé • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 10 de março de 2006

A lambedeira lambeu o Zé

Estocado em Brasil · Gírias e Falares

Este documento contém clipes de áudio que só podem ser ouvidos na página da Bacia na internet.

Outro dia meu compadre cearense Arievaldo Viana reclamou que não falo mais sobre cultura nordestina, como se não me importasse mais com ela.

O engenhoso fidalgo não sabe do que está falando. O nordeste está tão entranhado em mim que metade das músicas que ouço são de veia nordestina.

Como prova irrefutável apresento esta estranha pérola, chupada do primeiro álbum (2001) do peculiaríssimo grupo de música nordestina életrônica liderado pelo paraibano Totonho e completado pelos anônimos Cabra.

O disco se chama, como costuma acontecer, Totonho e os Cabra e a música é Cabra Pentium – um inusitado e pós-moderno tecno-repente com toques de música experimental. Seu refrão anuncia sensatamente:

A lambedeira lambeu o Zé. Cadê o cabra? Deu no pé.

“Cabra” é, como se sabe, nordestinês para “cara, sujeito, peão”. “Mundiça” é “gentalha, ralé, povaréu”. Já “lambedeira” é o nome que se dá na Paraíba à letal peixeira de dezoito polegadas, feita no jeito para acabar noite de forró em confusão e derramamento de sangue (“peixeira”, por sua vez, é como se diz em brasileiro “facão, faca grande”).

Gosto da música toda, mas especialmente de quando informam o Misael que quebraram o pote. Impossível não dançar sozinho com as mãos nas costas como faz o Arievaldo.

Cabra Pentium

A lambedeira lambeu o Zé, Totonho e os Cabra | Clique no triângulo para ouvir

Ouvi que nas bandas da Rússia, Europa, África e Japão
Tem cabra de todo jeito, cabra que fala alemão
Trava-línguas esquisitos de tudo quanto é nação

A lambedeira lambeu o Zé, lambeu o Zé, lambeu o Zé
Cadê o cabra? Deu no pé, deu no pé, deu no pé.

Quantos cabras tem no mundo, se toda mundiça é cabra?
Mestiço, mulato, negro, branco azedo endiabrado
Pra cada cabra de peia nasce um cabra safado

A lambedeira lambeu o Zé, lambeu o Zé, lambeu o Zé
Cadê o cabra? Deu no pé, deu no pé, deu no pé.

Uma denominação pra tratar teus companheiros
Pronome de tratamento pra santo ou cangaceiro
Que se cria no sertão e se exporta pro estrangeiro

A lambedeira lambeu o Zé, lambeu o Zé, lambeu o Zé
Cadê o cabra? Deu no pé, deu no pé, deu no pé.

Ei, Misael! Quebraro o pote! Ei, Misael! Quebraro o pote!
Ei, Misael! Quebraro o pote:
Judite não tem sorte, Judite não tem sorte!

A lambedeira lambeu o Zé, lambeu o Zé, lambeu o Zé
Cadê o cabra? Deu no pé, deu no pé, deu no pé.

Todo mundo aqui presente foi pego nessa tocaia
Armadilha, emboscada feita por Totonho e os Cabra
Você são nossos reféns de repente e emboladas.

A lambedeira lambeu o Zé, lambeu o Zé, lambeu o Zé
Cadê o cabra? Deu no pé, deu no pé, deu no pé.

* * *

Mais música ressonante de Totonho e os Cabra à sua disposição aqui.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas pede humildemente a incredulidade do leitor