A crença padrão • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 14 de setembro de 2009

A crença padrão

Estocado em Goiabas Roubadas

Se uma outra forma de cristianismo tivesse vencido as lutas iniciais pela supremacia, a doutrina familiar do cristianismo poderia nunca ter chegado a tornar-se a crença “padrão” de milhões de pessoas —Os cristãos poderiam não ter chegado a ter um Antigo Testamento, ou poderiam ter chegado a ter apenas o Antigo Testamento. incluindo a crença de que só existe um Deus, de que ele é o criador e de que Cristo, seu filho, é tanto humano quanto divino. A doutrina da trindade poderia nunca ter sido desenvolvida. Os credos ainda hoje proferidos nas igrejas poderiam nunca ter sido engendrados. O Novo Testamento como coletânea de livros sagrados poderia nunca ter chegado à existência, ou poderia ter vindo à existência com um conjunto totalmente diferente de livros — incluindo, por exemplo, o evangelho de Tomé em vez do de Mateus, a epístola de Barnabé em vez da epístola de Tiago ou o apocalipse de Pedro em vez do de João. Se outro grupo tivesse vencido aquelas disputas pela supremacia, os cristãos poderiam nunca ter chegado a ter um Antigo Testamento; se ainda outro grupo tivesse vencido, os cristãos poderiam ter chegado a ter apenas o Antigo Testamento (que não seria chamado de “Antigo”, visto que um “Novo” Testamento não teria chegado a existir).

Bart D. Ehrman, Lost Christianities —
The Battles for Scripture and
the Faiths We Never Knew

Oxford University Press, New York, 2003

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa que tudo que publicamos pode ser usado como fertilizante