Porque você acredita que o mundo é justo – e porque você se engana

De que modo a crença na justiça inerente do sistema garante, em cada sistema, que a justiça nunca chegue a se estabelecer

Não encontrei nome melhor, por isso resolvi chamá-los de discursos de distribuição automática de justiça. Um discurso, no sentido em que estou usando a palavra, é uma ideia (nem sempre consciente e nem sempre articulada com palavras) que tempera e justifica as nossas convicções e posturas. Eu poderia dizer com a mesma facilidade “fé na distribuição automática de justiça”. Cada cultura tem a sua, e cada cultura é ao mesmo tempo mantida e sequestrada por ela.

Falo da confortável crença de que no mundo as coisas funcionam de tal modo que, sem a intervenção de ninguém, especialmente sem a minha, as eventuais injustiças Continue lendo →

A direita de Deus – e sua possível esquerda

A natureza da mensagem divina é que ela rejeita e existe em contraste com muitos dos valores e crenças centrais comumente aceitos na cultura e na sociedade.
Daniel M. Keeran

 

Que alguns cristãos pendam politicamente para a esquerda e outros para a direita depende menos de uma convicção política do que do modo como enxergam o próprio cristianismo.

Uma utopia interina

Neste recinto maldizemos o capitalismo desde 2004, mas não creio que eu tenha produzido texto mais imediatamente popular (e impopular) do que A direita de Deus – e sua possível esquerda.

A verdade mais crua é que o meu ceticismo político não conhece limites, e enfatizei esse meu cinismo numa nota àquele mesmo documento. Deixo assinado também aqui o meu termo de isenção de responsabilidade. Prefiro, como se sabe, evitar assuntos polarizadores, porque não podem ser tocados sem prejuízo, mesmo com a luva da mais grossa imparcialidade

Uma questão de sanidade

Os ideais igualitários da esquerda não são antipáticos por natureza; ao contrário, o mais acirrado partidário da direita já terá sentido o apelo deles, e muitos deles reconhecem isso.

Ideais simpáticos, no entanto, são relativamente fáceis de serem desacreditados. O modo mais desonesto de se fazer isso é também o mais comum, e é por isso que é coisa tão frequente ver as ideias da esquerda desclassificadas justamente por serem bem-intencionadas.

O que há de errado (e de bom) no capitalismo

Foto: Alexey Titarenko

O trajeto usual é este: quem se aproxima do socialismo é porque sente que há algo de errado com o capitalismo.

Como neste mundo o capitalismo é praticamente tudo que existe, é relativamente raro que as pessoas enxerguem no sistema (que é o seu mundo) falhas que as levem a concluir que o sistema precisa ser revisto ou substituído. Essa infrequência tem diversos motivos, mas deve-se antes de tudo à profundidade das transformações que o regime capitalista produziu no rastro da sua ascensão.

O capitalismo existiu em regime embrionário em todas as gerações dos homens, mas foi por milênios contido por restrições técnicas, morais Continue lendo →

O custo da oportunidade

A primeira coisa é você não enganar a si mesmo; e ninguém você engana com mais facilidade do que a si mesmo.
Richard Feynman

 

Não entendemos a realidade diretamente, mas intermediada por discursos, preconcepções e filtros – óculos ideológicos que determinadas disciplinas chamam de modelos. Modelos conceituais explicam para nós a realidade mesmo quando não pensamos neles; na verdade, sua eficácia está ligada ao fato de que determinados modelos nos parecem tão naturais que não requerem reflexão. Cremos que estamos olhando o mundo diretamente, e esquecemos que estamos usando os óculos de determinada ideologia.


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas espera não ter de repetir