A nós a liberdade

A nous la liberté/A nós a liberdade, de René Clair, é o melhor filme a que assisti neste milênio, e foi feito em 1931 (certo, Borges daria muita risada). A nous é um filme com pouquíssimos diálogos: render-se ao filme requer uma única linguagem, que você ou fala ou não.

[ATUALIZAÇÃO DE 5 de agosto de 2014]
O youtube tirou do ar o filme que estava aqui =\

Assista e depois me escreva. Se você acertar três ou mais das vezes em que o filme me fez chorar, vai ganhar minha cumplicidade eterna – e seu sonho de liberdade de volta.

 

O que preciso fazer para você assistir ‘Sudoeste’ de Eduardo Nunes

O filme de 2011 que é uma poesia, uma aquarela, uma ciranda, um cortejo fúnebre, uma folia popular e uma torrente ininterrupta de lirismo?

Enquanto o tempo passa, o filme aguarda na íntegra no canal de The Global Film Initiative. Assista e vislumbre comigo a precária comunhão de perplexidade que nos une. A Escritura não está fazendo uma metáfora quando usa a mesma expressão – toda a carne – para referir-se à humanidade e a toda vida na terra. Os animais não sabem que serão interrompidos pela morte, mas maravilham-se da vida tanto quanto nós. Mais consequente e vertiginosa Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: isso não vai ficar assim