Memérico Vespúcio [1]

O florentino que deu o nome de «de todos os Santos» à Bahia era bom em nomear as coisas; deu também, sem querer, dois nomes ao novo continente: América e Novo Mundo. Enviado em 1501 pelo rei de Portugal para sondar as terras descobertas por Cabral, Américo Vespúcio escreveu sobre suas expedições cartas que foram traduzidas em diversas línguas e tornaram-se incrivelmente populares.

2016: o ano que quer ser um filme de Roland Emmerich

Jogo de pernada

 

– Uma alternativa que não te falei ainda – o italiano disse a Maiara – são relíquias. Temos que falar de relicários.

– Relicários – disse a índia, mas só para anular o ruído pelo método fogo contra fogo. Ela afastou o celular do ouvido. – Não adianta, o Simas não está atendendo o telefone. E agora acabaram os meus créditos.

– Então?

Maiara, que não tinha interesse maior do que saltar as partes da narrativa que não faziam a história avançar, estava irritadíssima. Olhou ao redor. Estavam na praia do Leme, na esperança que o tiroteio não os seguisse em lugar tão público.

– Não saia daqui – ela apontou

Continue lendo →

Raízes

 

A sala da fazenda era emoldurada por dois quadros enormes: um mostrava a versão gaúcha do mapa da União, o outro o imperador Gerdau bebendo chimarrão de uma cuia que tinha o formato do mapa.

De dentro entrou Esmalte Heinz, deputado, homem loiríssimo e latifundiário, pulando para terminar de calçar uma bota de cano longo. De fora, escoltado por seguranças que ocuparam imediatamente todas as portas, o marechal Dos Santos, secretário de Estado dos negócios do Império.

– Estava de saída, deputado? – disse o marechal, estendendo ao fazendeiro uma mão enluvada.

– Sim, bom dia – Heinz terminou de calçar a bota e devolveu

Continue lendo →

Pasto e soja

 

– Querendo dizer – disse Maiara, apontando para o mapa – que esses reinos são todos uma fachada. Estão conjuminados.

– Estão em guerra, você quer dizer – disse o italiano. Tocou por um instante a ilha no centro do mapa, depois fez com que o dedo deslizasse do sul para o noroeste. – A Residência em Vazília jurou proteger os índios e outros guardiões da Muralha, mas é há trinta anos que o Império Gaúcho está invadindo e dilapidando a Muralha com a conivência da União.

– Que ninguém faz nada só comprova o que eu estou dizendo – disse Maiara, que estava nua para disfarçar o fato de que estava usando

Continue lendo →

O anjo e a meritocracia

Como alguém pode dizer o que acha justo sem saber os privilégios que vai ter

– Vejo que você está com o panfleto na mão – disse o anjo no guichê – e deve ter visto também o vídeo de cinco minutos, então já sabe como funciona. Uma pergunta sua, depois você responde uma pesquisa curta e é liberado imediatamente.

Eu tinha muito mais que uma pergunta, mas fiz que sim com a cabeça.

Onde – eu disse, do modo mais claro e deliberado que consegui.

– Onde, onde – disse o anjo, e deslizou o dedo sobre a tablet que trazia na mão. – Olha, parabéns, você vai nascer no Brasil, um país muito legal.


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas não tem grandes ilusões, mas tem muitas pequenas