Dos deleites da repetição

Outro resultado desse novo arbítrio foi a geral catadura e revisão da genealogia de gente blasonada dos sete ventos dos antanhos.

De Carnivaldo a menos controversa é também a mais extensa e mais recente, aquela que aparece nas Crônicas e falaços de Fabrizio Forro. Não se requer maior cotejadura: a versão aberta diante do leitor não só assume a genealogia de Forro como rigoroso meridiano, como a ignora por completo. Em manobra que aprovaria sem pestanejo Carnivaldo, rendemos preferência ao tradicional em detrimento do comprovado, ao pitoresco em detrimento do que é mesquinhamente acurado. Não deixou de apontar Regente Boffé

Continue lendo →

De Merito Metricio

Em dias de ojejorno não há quem ignore que as genealogias nos tornam pessoa melhor na medida em que menos claramente nos antecipam a grandeza. Carnivaldo de Bezerros, tendo vivido e atuado em tempos menos ilustres e menos conexos, não teve como se beneficiar desse conhecimento, embora tenha angariado o mérito de se mostrar gente nobre e admirável sem ter chegado a saber se o sangue lhe endossava a virtude ou a puxava para baixo.

Foi Cravalo de Orvaglio, poeta da versejadura do iluminismo e partidário da água de cevada, o único autor do famoso De Merito Metricio, tratado em cinco livros em que está escrito que num mundo justo

Continue lendo →

8

Atrás da casa de Niconó havia uma casa menor, antiga, em que a família tinha morado antes de construir a de agora. Nessa casa morava a esposa de Niconó, Laís, porque tinha a doença do esquecimento e não conseguia sentir-se em casa na casa nova.

– Eu estava colocando uma roupa para secar – disse o menino – e me chamou para conversar a mulher de Niconó de casa sua.

– Ah – disse o homem. – Agora como foi.

– Foi bonito. Ela lembra de pouca coisa. Dizem que mesmo depois que deixou de acumular memórias novas lembrou por tanto tempo das antigas; recorda agora menos. Ela fez aparecer biscoitos, falou sobre o tempo e sobre a forma

Continue lendo →

7

Boas três horas depois do almoço Costino foi embora, e Lauco foi acompanhá-lo até a casa. Ficou decidido que, se assim quisesse, Costino iria encontrá-los em Casaredo ou em Sepori quando concluísse a obra em que estava trabalhando.

– Vossia conseguiu tirar dele se vai deixar de atormentar as meninas? – quis saber Niconó.

– Tenha paciência, Niconó. Dele não tirei nada.

– Vossia contou que sabemos como morreu Pompeu Coxé? – perguntou Ticiano.

– O que sabemos não faz bem nem a nós – disse José.

– Ele por certo lhe disse – Ticiano insistiu.

– É estúpido pensar que alguém é inocente só porque não é culpado –

Continue lendo →

6

– Pronto, ele chegou – disse Lauco ao homem em pé no meio da sala. – Vamos conversar lá fora.

– Quero saber – Costino disse a José Fabro – o que vossia andou falando de mim.

– Vamos falar lá fora – insistiu Lauco.

– Não, ele veio até casa minha, venho até casa sua. Quero saber o que estava falando de mim antes de entrar por essa porta.

– Posso fazer melhor – disse José Fabro, – e lhe digo o que eu não disse a ninguém sobre vossia. O problema de dizer merda cada vez que abre a boca é que alguma hora acaba acreditando que tem de concretizar as suas ameaças para ser levado a sério. Vossia não vê? Pensa que é

Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é recomendada por dentistas