A nós a liberdade

A nous la liberté/A nós a liberdade, de René Clair, é o melhor filme a que assisti neste milênio, e foi feito em 1931 (certo, Borges daria muita risada). A nous é um filme com pouquíssimos diálogos: render-se ao filme requer uma única linguagem, que você ou fala ou não.

[ATUALIZAÇÃO DE 5 de agosto de 2014]
O youtube tirou do ar o filme que estava aqui =\

Assista e depois me escreva. Se você acertar três ou mais das vezes em que o filme me fez chorar, vai ganhar minha cumplicidade eterna – e seu sonho de liberdade de volta.

 

Como enquadrar como um expressionista alemão

Este documento contém clipes de vídeo que só podem ser visualizados na página da Bacia na internet.

Duas cenas muito curtas de Sunrise (1927), primeiro filme da fase hollywoodiana do alemão F. W. Murnau (de Nosferatu). Faço votos de a partir de agora só desenhar usando esse tipo de perspectiva estilizada.

Pra mim basta um dia

Este documento contém clipes de vídeo que só podem ser visualizados na página da Bacia na internet.

O que acontece quando você pede que o mundo inteiro registre, em vídeo, um único dia na Terra? Você recebe 80.000 vídeos e 4.500 horas de filmagem de 192 países. O produtor Ridley Scott e o diretor Kevin Macdonald, vencedor do Oscar, pegaram esse material bruto — todo ele filmado em 24 de julho de 2010 — e criaram Life in a Day/A vida num dia, um documentário que retrata esse caleidoscópio de imagens a que chamamos de vida. Estréia nos Estados Unidos em 24 de julho de 2011.

 

 

Veja também:
Gli Continue lendo →

Nos capítulos anteriores de Lost

Este documento contém clipes de áudio que só podem ser ouvidos na página da Bacia na internet.


Ilustração que fiz para o podcast em que Allyson Irlesh, Zé Márcio e Rondinelly Gomes Medeiros, do seu quartel-general no sertão da Paraíba, reviram o túmulo vazio da série Lost sob a luz inclemente de Nietsche, Freud, René Girard, Jesus, Borges, a religião egípcia, teoria literária, o eterno retorno, a espiritualidade hindu, a blogosfera brasileira e o sertão. Duas horas dessa conversa parecerão muito, mas só para quem não sente na brisa mais inesperada a inequívoca Continue lendo →

Chapman’s Cheerful Chappies

Este documento contém clipes de vídeo que só podem ser visualizados na página da Bacia na internet.

Don’t say gesuntheit

[flv:http://d3axmvvqfkltb2.cloudfront.net/movies/2009-04-24-chapmans.mp4 544 400]

Say Chapman’s Cheerful Cheese™

O fracasso não é uma opção

Este documento contém clipes de vídeo que só podem ser visualizados na página da Bacia na internet.

Visite a Bacia para ver o vídeo

Se a imagem estiver incompleta, tente aqui.

 

Mixagem de Mathew Belinkie,
do blog de cinema Overthinkingit

* * *

Veja também:
Hung Up: A nova cultura da remixagem
Trailer remix


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas adverte: Não pense. Se pensar, não fale. Se falar, não escreva. Se escrever, não assine. Se assinar, se vire que o problema é seu