Sobre o manejo eficaz da culpa econômica

Finalmente conseguimos: o Brasil é um exemplo para o mundo.

Não faz ainda três anos, um consórcio internacional de amigos meus decidiu, com a minha conivência, que o Brasil estava no topo da lista dos lugares do mundo em que era menos provável que o fascismo levantasse a sua cara.

Ah, se estávamos errados. Fascismo, só para tirar a sua dúvida, é quando mães são agredidas porque seus bebês estão usando roupas da cor errada. Não deve haver dúvida: quando parte que seja da população acredita poder determinar quem tem razão através de um código de cores, o tecido social está já bem rompidinho.

Outra indicação da vitória do

Continue lendo →

Como reter o direito sobre o corpo de outras pessoas

Primeira parte: “Pare de resistir, estamos fazendo isso para o seu bem!”

Uma crise na coerção justificada: da religião aos serviços de saúde

Quando consideramos a ascensão do modelo médico e a difusão da linguagem de comunidade e saúde pública, a primeira coisa é entender que esse é um fenômeno relativamente recente.

A idade da razão gerou uma crise para os que usavam os discursos religiosos de modo a justificar o uso da força

A medicina costumava ser praticada de modo muito diferente, saúde e doença eram compreendidas e priorizadas de modo muito diferente, e os que se ocupavam dessas coisas tinham uma posição inferior e menor influência dentro da sociedade. O que aconteceu para mudar isso? De que modo as práticas discursivas da saúde chegaram a predominar?

O que aconteceu foi que do Renascimento em diante ocorreram guinadas radicais dentro das sociedades ocidentais. A ciência

Continue lendo →

A crise das pessoas que as pessoas ouvem

O PT precisava de uma oposição que não ouvisse Leandro Narloch, Rodrigo Constantino e Reinaldo Azevedo

Dez anos (agora 11) sem assistir televisão me deram o dom que sempre desejei: o de uma enorme impaciência. Esse período mais ou menos coincidiu com os mandatos do PT, e sobre esses governos quase tudo que tenho a dizer está aqui: não puderam beneficiar-se de uma oposição articulada e coerente.

Pense o que quiser, o PT está no poder há uma década arrecadando os dividendos da oposição festiva e popular que já foi. É uma dívida que o povo teria muito mais dificuldade de continuar pagando ao PT se uma oposição perspicaz, organizada e popular (de direita, porque oposição de esquerda o PT tem muita

Continue lendo →

O mundo ao reverso (e outros versos)

Nada é mais sério do que uma festa: nada concilia e emblema melhor a dupla paixão humana pela liberdade por um lado e pelo ritual por outro. Uma festa é um dia programado para ser fora do programa, e essa contradição encarna mais do que qualquer outro aspecto da cultura os contrastes da condição humana.

Os antropólogos entenderam há muito tempo o engano que seria continuar dividindo festas populares entre sagradas e profanas, visto que cada festa que encontrou ocasião de se entremear no calendário das gentes celebra a seu modo uma entrada no domínio do que não pode ser dito, visto ou explicado: o domínio do sagrado, que só pode

Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa: rasgue na linha pontilhada