O mercado que nos protege

O governo que não deve ser nomeado deflagrou uma semana de rigoroso Choque e pavor – a tática militar de ocupar dando demonstrações múltiplas e espetaculares de força, de modo a desestimular qualquer resistência.

Numa semana, o governo que até segunda ordem é interino divulgou estar pronto para:

Isso só para citar as medidas mais desconcertantes, e sem pausar para examinar a ficha de antecedentes dos ministros apontados, do novo líder do governo e do próprio presidente em exorcismo.

Embora espero que seja poupado desse constrangimento, você vai encontrar brasileiros satisfeitos com esse pacote de propostas. O motivo da satisfação

Continue lendo →

A justiça no Brasil

O que é preciso temer é o número de delações que a justiça não premia

Isso porque para entender a relação do Brasil e dos brasileiros com a justiça é conveniente começar deste ponto: não somos norte-americanos.

Para o juiz Sérgio Moro, se for para comparar o Brasil com alguém, que seja com a Itália.

A partir da semelhança de temperamento institucional e de uma compartilhada tolerância para com a corrupção, Moro está convicto de que o sucesso da operação Mani Pulite/Mãos Limpas, que varreu camadas ancestrais de corrupção na Itália, pode ser replicado no Brasil na operação Lava Jato.

E como discordar da lógica dele? Quando descreve o que acredita serem as causas estruturais da corrupção na

Continue lendo →

Episódio 7:
Fortuna e glória

 

– Em pé no alto da construção, Miro Valhacouto perscruta a paisagem, erguendo o olhar da esplanada estéril até a selva circundante. Valhacouto pode ser o mais prestigiado especialista em desarmamento de hidrelétricas da União, mas está sempre pronto para recordar as suas origens.

– Toma – disse Genésio Casabranca, empurrando a caixa de metal pelo concreto até tocar a perna do outro.

– Nascido num quilombo do Catupiry, filho de um índio gaúcho com uma fazendeira do Xingu, Miro começa de baixo, desarmando mata-burros na fazenda do doutor Clory. Nos anos 90 ganha prestígio no Serestão desarmando argumentos de candidatos

Continue lendo →

Perdão e poder

Não é de estranhar que Jesus de Nazaré tenha se recusado a reduzir a virtude a um conjunto confortável de regras; não é de estranhar que ele tenha se negado firmemente a indicar que a conduta do reino pudesse ser domada em normas ou esgotada pela obediência passiva. Essas suas cautelas se enquadram de modo natural em seu projeto de rejeitar o uso de qualquer ferramenta de manipulação e de poder. Legislar é poder, legislar é condicionar, e nada está mais distante da postura que Jesus assumiu para si mesmo e sonhou para os seus amigos.

Também não é de estranhar que a igreja tenha ignorado por completo esse sonho de Jesus, tendo

Continue lendo →


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas está desde 2004 sem chegar a lugar algum