Paradigma • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 19 de agosto de 2016

Paradigma

Estocado em Manuscritos

Não tem fundamento a esperança de uma reconstituição completa do processo. Registro minha versão de segunda mão sem esperança de ser lido, entendido e muito menos – como seria inevitável há, digamos, trinta anos – compilado ao lado de outros na pretensão de um todo coerente. Não somos mais assim e é consenso universal que estamos em posição mais vantajosa.

O presente mundo é obra de um único teórico letonês, o tecno-místico Ainars Bučins, que em três ou quatro postagens do seu blog definiu o que veio a chamar-se (sem a intervenção dele) “paradigma de função”. O conceito, notável ou inevitável para a época saturada em que foi elaborado, declara simplesmente que num mundo tecnológico idealmente organizado o que está funcionando deve permanecer invisível. A ideia pendia de manuais de administração e design havia décadas, mas nunca havia sido colocada por escrito com essas palavras. Essa escolha de palavras gerou o nosso mundo.

A verdadeira invisibilidade era considerada, naturalmente, uma impossibilidade científica, e a tese de Bučins parece ter sido recebida como mero instrumento de validação do minimalismo impessoal que definia a disposição física de escritórios e linhas de montagem nas corporações.

Não foi assim que o interpretou um então desconhecido estudante de Hong Kong, cujo nome ocidental é Nelson Chu. Patrocinado por uma universidade norte-americana (esqueceu-se qual), Nelson trabalhou por três anos e meio num projeto cujo propósito nominal era a redução da fadiga visual em ambientes corporativos. Ao final do período Chu havia inventado a invisibilidade perceptual. Nelson Chu foi por dez ou doze anos o homem mais rico da terra, quando essas particularidades eram possíveis.

A invisibilidade perceptual foi aparentemente o primeiro experimento bem-sucedido de brain hacking, – e neste caso o ajuste manual do cérebro envolvia dois comprimidos de cores diferentes e uma agulha indolor introduzida por um instante no ouvido esquerdo. Quem se submetia ao experimento tornava-se em dois ou três dias – e definitivamente – imune à percepção visual de determinado padrão de losangos coloridos que lembrava para alguns a roupa de um arlequim, e que foi registrado sob o nome comercial de Sensee. Um avião, um feixe de cabos, um tapume – qualquer objeto pintado ou recoberto com o padrão tornava-se perceptualmente invisível para o hackeado (seer). A invisibilidade perceptual podia ser temporariamente anulada submetendo-se o seer à mínima diferença de potencial elétrico – fazendo-o segurar entre os dedos uma bateria AA, por exemplo.

O que está funcionando deve permanecer invisível.

As aplicações não demoraram a aparecer. A Sensee de Nelson Chu lançou em janeiro de 20221 os cabos Invizen, que um revestimento interno de fibra de vidro mantinha eletronicamente recobertos com o padrão colorido Sensee, de modo a mantê-lo invisível para os hackeados. Em conformidade com o dogma de Ainars Bučins, a membrana de fibra desfazia automaticamente o padrão visual Sensee assim que qualquer irregularidade funcional era detetada pelos onipresentes (já nos dias de Bučins) sensores de falhas. Fiamentos, tubulações e equipamentos inteiros (como aquecedores) podiam dessa forma ser mantidos sensatamente invisíveis até que a visibilidade denunciasse que careciam de reparo.

A adoção da tecnologia foi unânime: primeiro na Europa e na Ásia, logo no restante do mundo, as indústrias haquearam compulsoriamente seus funcionários, adotaram os cabos e membranas Invizen, e o paradigma de função invadiu a vida real.

Os passos seguintes é que são irrecuperáveis. Como descobriu-se da maneira mais inusitada, num mundo conectado a adoção de uma ideia pode ser tão avassaladora ao ponto de ser impossível de rastrear. Em menos de cinco anos o paradigma de função havia saltado de escritórios e fábricas para acessórios domésticos e de decoração. Em menos de uma geração havia tanta coisa funcionando sob o dogma de Bučins e a tecnologia de Nelson Chu que boa parte do mundo tornara-se invisível: computadores, mesas, cadeiras, usinas, roupas, paredes, carros, assoalhos, capas de livro e baterias AA. A singularidade aconteceu quando as crianças começaram a nascer hackeadas, visualmente impermeáveis ao padrão Sensee mesmo antes de passarem pela transição que havido sido necessária para seus pais.

Hoje vivemos inteiramente nus, dormimos sob o abrigo das árvores e colhemos nossa comida diretamente do solo. Tudo parece estar funcionando, mas não encontro uma bateria AA e não tenho como conferir.

Publicado originalmente em 27 de setembro de 2006

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.

NOTAS
  1. O conto original, publicado em 2006, dizia 2012. []
Arquivado sob as rubricas

 

>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas está desde 2004 sem chegar a lugar algum