O Homem como máquina • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 30 de janeiro de 2007

O Homem como máquina

Estocado em Goiabas Roubadas

Não basta para um homem sábio estudar a natureza e a verdade; deve ele ousar declarar a verdade para o benefício dos poucos dispostos e capazes de pensar. Quanto aos demais, escravos voluntários que são do preconceito, não são mais capazes de chegar à verdade do que sapos de voar.

Reduzo a dois os sistemas de filosofia que tratam da alma humana. O primeiro e mais velho dos sistemas é o materialismo; o segundo é o espiritualismo.

[…] Das duas alternativas, apenas uma é possível: ou tudo é ilusão, tanto a natureza quanto a revelação, ou apenas a experiência é capaz de explicar a fé.

[Minha intenção é] provar, em primeiro lugar, que se há uma revelação, essa não é suficientemente demonstrada pela mera autoridade da Igreja sem qualquer apelo à razão, como querem aqueles que temem a razão; em segundo lugar, proteger contra todo assalto o método daqueles que querem seguir o caminho que abro para eles, o de interpretar coisas sobrenaturais, incompreensíveis em si mesmas, à luz daquelas idéias com as quais a natureza nos capacitou. A experiência e a observação deveriam ser, portanto, nossos únicos guias aqui. Ambas são encontradas nos registros dos médicos que foram filósofos, e estão ausentes das obras dos filósofos que não foram médicos. Apenas esses primeiros, contemplando serenamente a alma, surpreenderam-na, mil vezes, tanto em sua bruteza quanto em sua glória, e não desprezaram-na mais no primeiro estado do que admiraram-na no segundo. Portanto, repito, apenas os médicos têm direito a manifestar-se sobre o assunto. O que poderiam dizer os outros, em especial os teólogos? Não é ridículo ouvi-los chegando despudoradamente a conclusões sobre um assunto a respeito do qual não tem meios de saber coisa alguma, e do qual ao contrário se afastaram através de estudos obscuros que conduziram-nos a uma miríade de opinões preconceituosas – numa palavra, fanatismo, que acrescenta ainda mais à sua ignorância do mecanismo do corpo?

Julien Offray de La Mettrie,
O Homem como máquina, 1748

Leia também:
A segunda Encarnação do Verbo
Cérebros fluidos e a origem das idéias

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa que ao ler esta página você se compromete contratualmente a concordar com a totalidade do seu conteúdo, obrigando-se ainda a alinhar suas crenças e prioridades às nossas; subscrever todas as nossas opiniões e juízos; acalentar, fomentar, promover e maravilhar-se diante da lucidez de tudo que dizemos até o fim dos seus dias