O herói e a tentação • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 13 de dezembro de 2006

O herói e a tentação

Estocado em Manuscritos

Assegurado o resultado da batalha, o herói pousou a espada e postou-se diante da tentação. Aqui estava ela finalmente, crua e palpável e surpreendente em seu recato: o singelo objeto da sua prova, a verdadeira ameaça de ruína pessoal para o herói, diante da qual cair derrubado pelo inimigo era em comparação destino de integridade, consagração e vitória.

Surpreendeu-o de imediato o quanto a tentação era pequena em relação a ele mesmo; o quanto era irreal e mesquinha e infantil e insignificante. Então era essa coisa, essa arbitrária coisa, que derrubava homens, ofuscava lealdades e destruía futuros. A tarefa de passar ao largo da tentação pareceu-lhe de repente a mais fácil de todas, a mais atordoantemente elementar: não requeria, patentemente, sua grandeza, suas habilidades, sua largueza de alma.

O que ele notou em seguida foi que a tentação era em si mesma coisa imóvel, inerte estanque, inteiramente incapaz de interagir com o mundo ao seu redor ou de influenciá-lo. Surpreso, ele teve de concluir que não era o objeto da tentação que atraía o herói, era ele que mostrava-se atraído pelo objeto da tentação – e este era o primeiro obstáculo que o herói não tinha sido capaz de antecipar. A tentação diante dele permanecia pequena e morta e irrisória em sua impotência, mas o desejo do herói fornecia sua própria força de transubstanciação e arrasto, alterando a natureza do objeto diante dele e fazendo seus braços vibrarem como cordas de lira no simples esforço de esquivarem-se daquela direção.

Ele então compreendeu que o poder da tentação era seu próprio poder, e entendeu que para cumprir seu destino de herói sua única alternativa era partir imediatamente. Ele não era páreo para si mesmo, por isso tinha de correr. O herói recolheu depressa a espada e avaliou com um golpe de vista as duas dezenas de passos que lhe faltava percorrer.

Neste preciso momento, antes que ele desse o passo para longe que sabia-se ainda capaz de dar, ocorreu-lhe de repente uma idéia, uma hipótese que ele permitiu-se considerar apenas em seu status inofensivo de idéia: a possibilidade de que ceder à tentação – tentação que era tão claramente parte essencial dele mesmo, em muitos sentidos indistinguível dele mesmo – talvez o tornasse maior, mais coerente e, nesse sentido inesperado, mais íntegro do que qualquer alternativa.

Assim que deixou-se proferi-la nesses termos o herói reconheceu que não se tratava de mera idéia, mas da materialização de uma dúvida essencial que fazia há muito parte dele sem que ele tivesse sabido dar a ela uma forma. Agora, consolidada neste mais decisivo dos momentos, não tinha como ignorá-la.

Olhando para sua própria e irresistível potência e para o minúsculo objeto diante de si, o herói não soube responder a seu coração em que sentido negar-se à tentação o tornaria mais virtuoso do que o homem que seria caso se abandonasse a ela. A temperança de repente lhe pareceu coisa mesquinha e prepotente, a continência se lhe configurou terrível pretensão. A grandeza, pareceu de repente claro, deveria estar em ceder, em abraçar a indulgência e portanto a humildade, em decidir magnanimamente não ser melhor do que ninguém. A verdadeira tentação talvez fosse a virtude.

Por instantes ele permaneceu paralisado por essa dúvida: o que o tornaria maior? Ceder ou resistir? Onde estaria o maior mérito: manchar-se deliberadamente ou permanecer deliberadamente puro? Em seguida essa dúvida foi coroada por outra, ainda mais atordoante e pessoal: mesmo que resistir fosse a escolha mais digna, o que deveria levá-lo a achar-se merecedor do maior mérito, digno de escolher o destino que o tornaria maior?

Quando o chão começou a tremer, caiu sobre ele a repentina e inequívoca certeza de que ceder à tentação era no fim das contas a solução nobre e altruísta e honrosa, apesar do rompimento que poderia causar no tecido do futuro. Os deuses teriam evidente prazer em ver o gigante cedendo à pequena tentação, o maior dobrando-se generosamente ao menor.

O herói, que estava preparado para enfrentar a dúvida, não tinha estrutura para reagir à certeza, e não soube de repente o que iria fazer.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas pode causar dependência. Procure um grupo de apoio na sua igreja