Norman Rockwell • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 30 de maio de 2005

Norman Rockwell

Mesmo antes que Hollywood deslanchasse o seu competente ministério de propagação do Evangelho Americano, o ilustrador Norman Rockwell já pintava uma deliciosamente idealizada imagem dos Estados Unidos – uma imagem tão contundente que ficou impregnada em gente que nunca pisou por lá.

As pinturas de Rockwell, que (não se iluda) já eram nostálgicas quando foram pintadas, celebraram e solidificaram temas que se tornaram ícones do ideal norte-americano – a liberdade de expressão, o jantar de Ação de Graças, a glorificação do trabalhador, a vida familiar, o Papai Noel que mais tarde seria da Coca-Cola e os heróis anônimos, para citar apenas alguns.

Não há, de certa forma, como não curtir Rockwell. O que mais gosto nele é talvez o pseudo-realismo sutilmente estilizado, que fica denunciado em detalhes como as costas impossivelmente largas deste policial.

Mais no Google.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna