Noite de verão • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 13 de Abril de 2006

Noite de verão

Estocado em Goiabas Roubadas

Dizer todos os jeitos de que gosto desta canção com música de Edu Lobo e letra de Chico Buarque, escrita para a peça Cambaio (2001) de Adriana e João Falcão (que estiveram juntos recentemente no cinema com o singelo A Máquina).

O que mais me agrada é possivelmente o quão ao mesmo tempo ambiciosa e incerta é sua mensagem. Não fica claro se estamos diante de uma declaração de amor ou de uma egotrip; se se trata da terna confissão de alguém que ansiou tão ardentemente pela felicidade que quando a encontra sente que precisa distanciar-se dela (“este não sou eu”), ou de uma ode à tendência masculina de concentrar-se reflexivamente na própria sexualidade (“deve ser o tal o homem que lhe faz tão bem”) ao invés de avançar construtivamente na relação.

A letra circular nunca responde definitivamente à pergunta: quem o sujeito venera de fato? A si mesmo, à mulher diante dele ou ao amante ideal que não acredita ser?

O que quer que esteja acontecendo, gosto da forma como a declaração de insuficiência se transforma paradoxalmente em instrumento de charme e manipulação. “Que importa que eu só tenha esta noite de favor” tem ainda, pode ser pertinente observar, um acentuado sabor de pra mim basta um dia.

E que dizer da orquestração noir desta versão, com metais surdos e piano bêbado de blues, que empresta à confissão um toque estilizado de Sin City? Dizem-me que a versão da peça, em ritmo de tango, era superior, mas não tenho ferramentas para acreditar.

Este não sou eu
Meus lábios nos seus lábios não são meus
O meu olho no seu olho no meu olho no seu
Duvida do que vê

Deve ser um rei
Deve ser um deus
O homem que possui você

Não pode ser eu
Você fala meu nome, quem sou eu
Você fala meu homem, sim, mas qual
Eu nunca fui ninguém

Deve ser demais
Deve ser o tal
O homem que lhe faz tão bem

Sonho de mulher
Em noite de verão
Por que é que você veio me perder
Quer se divertir
Fingindo me adorar
Ou finge se enganar
Me amando pra valer

Beije-me outro beijo uma outra vez
Que importa se esses beijos não são meus
Que eu só tenha esta noite de favor
Nos braços de uma atriz

Este não sou eu
Este é um impostor
Que pobre de amor se diz

Deve ser um rei
Deve ser um deus
Como deve ser feliz

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna