Como escrever como o Paulo Brabo

Escrevendo sobre teologia e outras coisas sem grande importância, o impertinente (e mineiro, como se houvesse diferença1) Rogerio Brandão revelou sem querer cinco dos sete segredos que compõem o meu estilo. Seguindo esses cinco passos muito simples você alcançará rejeição imediata na terra, etc.

  1. Apresente-se como “principal
Continue lendo →

NOTAS
  1. Este é, naturalmente, o oitavo segredo: apresente duas coisas diferentes e depois finja acreditar que são uma mesma. E este é também o nono: apresente uma conclusão arbitrária e emoldure-a com um “naturalmente”, de modo a gerar perplexidade universal. []

O poeta e o pescador

Meu pai, pode ser necessário lembrar, usa o termo “poeta” como insulto. Encontro em Luis da Camara Cascudo — Geografia dos mitos brasileiros, prefácio — um uso análogo:

Nas praias do Rio Grande do Norte, poeta é sinônimo de bicho-de-pé. “Estou aqui vendo se tiro esse poeta”, respondeu um pescador a Henrique Castriciano que lhe perguntara por que estava escavacando os dedos com uma ponta-de-faca.

* * *

O livro oferta ainda generosidades como esta: “O sertão respira [atualmente] pelas mil bocas das estradas e paga o conforto da eletricidade com o esquecimento das estórias antigas e saborosas”.

Continue lendo →

ERRATA – A bacia das almas

Todo livro é, em alguma medida, uma monstruosidade, uma fabricação cuja coesão depende de fatores inteiramente imponderáveis, equilíbrio que o menor destempero pode transtornar. Porém alguns livros são mais monstruosos dos que os outros: estou pensando no livro da Bacia, em que costuramos arbitrariamente cinco anos de conteúdo na tentativa de emprestar uma feição apenas aceitável ao que é muito evidentemente um monstro de Frankenstein.

Um pequeno exército de revisores de estilo e de gramática (e incluo-me, modestamente, nesse contingente) submeteu o manuscrito final, preparado por mim, ao seu crivo. Foi um processo com várias Continue lendo →

Bluteau redefine a internet

O formidável dicionário de Raphael Bluteau, escrito entre 1712 e 1728, pode ser agora consultado na íntegra pela internet. Basta visitar esta página dos Instituto de Estudos Brasileiros da USP, e na coluna da esquerda escolher o link Vocabulario Portuguez. Para ler minha recomendação original à obra de Bluteau, clique aqui.

Bluteau na internet
Bluteau, o magnífico


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas aparentemente não tem base para fazer essas afirmações