Como dormir numa rede • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 26 de dezembro de 2005

Como dormir numa rede

Estocado em Brasil

Eu e o Julian passamos duas noites da Expedição Cordel na arejada mansão do engenhoso Arievaldo Viana em Caucaia, cidade tão próxima a Fortaleza que chega a ser indistinguível dela. Foi no seu escritório, transformado em dormitório para nosso benefício, que o Ari introduziu-nos no segredo milenar de como se dormir numa rede – ou baladeira, que é o inevitável nome pitoresco que ele usa.

Eu adoraria, para benefício dos leitores da Bacia, ter filmado a impagável demonstração que o Arievaldo (como em tudo mais) tão entusiasticamente nos fez. Posso no entanto repetir o essencial: numa baladeira não se dorme de comprido (A), como um defunto, nem perpendicularmente (B), na posição de crucifixo. Ambas as posições podem ser fatais para a sua coluna e para o dia seguinte.

A recomendação do especialista é deitar na rede transversalmente©, com os membros espraiados. Nessa posição a rede fica mais aberta e mais nivelada e a sua espinha mais reta: com alguma sorte você e sua coluna poderão sobreviver a uma noite inteira desse abuso, fato do qual eu mesmo sou evidência palpável.


Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas informa que ao ler esta página você se compromete contratualmente a concordar com a totalidade do seu conteúdo, obrigando-se ainda a alinhar suas crenças e prioridades às nossas; subscrever todas as nossas opiniões e juízos; acalentar, fomentar, promover e maravilhar-se diante da lucidez de tudo que dizemos até o fim dos seus dias