A morte de Eva • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 25 de setembro de 2007

A morte de Eva

Estocado em Goiabas Roubadas

ADÃO: A morte de Eva

Eva passou chorando o intervalo entre a morte de Adão e a sua. O que a incomodava em particular era não conhecer o paradeiro do corpo de Adão, pois ninguém além de Sete havia estado desperto quando o anjo o enterrara. Quando aproximou-se a hora de sua própria morte, Eva suplicou para ser enterrada no mesmo lugar em que jaziam os restos do marido.

– Senhor de todos os poderes! – orou ela – Não separe a sua serva do corpo de Adão, de quem me tirou e de cujos membros me formou. Permita-me, mulher indigna e pecadora, adentrar a habitação dele. Da forma como estivemos juntos no Paraíso, não separados um do outro; da forma como fomos tentados a transgredir a sua lei, não separados um do outro; da mesma forma, Senhor, não separe-nos agora.

Ao final da oração, erguendo os olhos para o céu, acrescentou a petição: “Senhor do mundo! Receba o meu espírito!”, e entregou sua alma a Deus.

Adão não deve ser responsabilizado pela morte dos homens.

O arcanjo Miguel veio e ensinou Sete a preparar Eva para o sepultamento, depois do que três anjos desceram e enterraram o corpo no túmulo com Adão e Abel. Miguel então disse a Sete:

– Você deve enterrar todos os homens dessa forma, até o dia da ressurreição – e depois de dar essa ordem, acrescentou: – Não lamente a morte por mais do que seis dias. O repouso do sétimo dia é o símbolo da ressurreição no último dia, pois no sétimo dia Deus descansou de toda obra que havia criado e feito.

Embora a morte tenha sido trazido ao mundo por Adão, ele não pode ser responsabilizado pela morte dos homens. Certa ocasião ele disse a Deus:

– Não me preocupa a morte dos perversos, mas não me agradaria que os piedosos me condenassem e colocassem em mim a culpa pela sua morte. Não faça, eu lhe rogo, menção da minha culpa.

E Deus prometeu que satisfaria o seu desejo. Portanto, quando um homem está para morrer, Deus lhe aparece e diz que sente-se e coloque por escrito tudo o que fez durante a sua vida, “pois”, Deus diz a ele, “você está morrendo por causa dos seus próprios atos de perversidade”. Quando o registro está concluído, Deus ordena que a pessoa sele o documento com seu selo pessoal. Este é o documento que Deus apresentará no dia do julgamento, declarando a cada um os seus próprios feitos. Logo que a vida do homem é extinguida ele é apresentado a Adão, a quem acusa invariavelmente de ter causado a sua morte. Adão, porém, rejeita a acusação:

– Cometi uma única transgressão. Haverá algum de vocês, por mais piedoso que seja, que não seja culpado de mais de uma?

* * *

Lendas dos Judeus é uma compilação de lendas judaicas recolhidas das fontes originais do midrash (particularmente o Talmude) pelo talmudista lituano Louis Ginzberg (1873-1953). Lendas foi publicado em 6 volumes (sendo dois volumes de notas) entre 1909 e 1928.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas apoia causas aleatórias