A manhã em que ninguém é mais justo que ninguém • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 17 de Março de 2016

A manhã em que ninguém é mais justo que ninguém

Estocado em Brasil · Manuscritos · Política

Este relato é a parte 3 de 7 da série Até onde você quer ir com a justiça

Se você for dar a cada um o que merece, quem escapará do açoite?
Hamlet, Ato 2, Cena 2

As regionais de São Paulo e do Rio de Janeiro da Ordem dos Advogados do Brasil se pronunciaram entre ontem e hoje sobre os grampos vazados por Sérgio Moro. Em sua nota a OAB do Rio de Janeiro se mostra estarrecida com o fato das gravações terem sido feitas e divulgadas. Em sua nota a OAB de São Paulo se mostra estarrecida com a opinião de Lula sobre a justiça no Brasil, registrada nas gravações. A fenda entre essas posições recorta o país.

Até onde você quer ir com a justiça? – é a pergunta que Sócrates faz continuamente a quem se aproxima do tribunal.

O juiz Sérgio Moro, que justificou a condução coercitiva de Lula com o argumento de que queria evitar “tumulto” e “comoção”, não tinha como ignorar que a divulgação das gravações, neste preciso momento (e por mais inócuas ou controversas que se mostrassem), provocaria precisamente comoção e tumulto. Moro não resistiu e fez a sua própria delação premiada, sendo que seu prêmio está ainda por definir. É até aqui e mais longe, Sérgio Moro respondeu a Sócrates, que quero ir com a justiça.

Esta, senhoras e senhores, é a manhã das máscaras caídas. Precisamente por isso encontro nela, mesmo em suas sombras, alguma ternura e alguma esperança. A teoria dos três poderes parte do desiludido e acurado pressuposto de que um poder vai querer mais poder do que o outro, e vai precisar para manter a linha do tempero dos outros dois – mesmo que esse tempero seja a luta de cada um pela primazia. É uma ideia que tem alguma beleza porque parte da ideia que ninguém é mais propenso à integridade do que ninguém. Ela aposta a sua eficácia na sua precariedade, e pede ao mesmo tempo que cada envolvido não nutra grandes ilusões sobre a própria importância.

Numa dada manhã qualquer todos acordam, mesmo sem se darem conta, para defender a sua justiça.

A manhã em que ninguém é melhor do que ninguém, que são todas, requer o delicado equilíbrio de que todos façam o que é justo sem que ninguém lute para levar a justiça até onde gostaria.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Clique aqui para receber as publicações deste sáite por email.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma no twitter, no Instagram, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é lida por poetas, crentes e até por gente pior