A Bacia • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 24 de maio de 2004

A Bacia

Estocado em Fotografia · Goiabas Roubadas

Meu pai, que gosta de se considerar um sujeito pragmático, usa o termo “poeta” como xingamento. “Fulano é um poeta”, ele diz, querendo dizer “fulano é um irresponsável, vive fora da realidade”. A verdade é que, como diria Borges, algumas vezes a gente é obrigado a se relacionar com poetas – ou até mesmo gente pior.

Porque meu pai tem, e muito mal-disfarçada, uma veia poética que sangra regularmente. Ele lê furiosamente, curte palavras charmosas e fora-de-moda e faz questão de escolher expressões evocativas e nostálgicas para referir-se aos objetos mais comuns. Bacia das Almas é o nome que ele deu à bacia de alumínio gamela de madeira do seu paiol de ferramentas à qual remete todas porcas, arruelas e parafusos para os quais não vê aplicação imediata. É na Bacia que vão repousar, talvez para sempre, os rejeitados, os tortos, os empenados, os marginais, aqueles que não se encaixam – vivendo eternamente na improvável esperança de se tornarem úteis novamente, ou pela primeira vez.

Como todos nós.

Meu pai não pode saber, mas é um poeta ele mesmo. O que ele sabe, como ele mesmo diz, não está escrito nos livros.



Leia também:
A verdadeira origem (e também algumas falsas) da expressão “na bacia das almas”

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.

Arquivado sob as rubricas

 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é a peleja do Carnaval com a Quaresma