1494 • Como o Tratado de Tordesilhas dividiu o planeta entre Espanha e Portugal • A Bacia das Almas

 

Paulo Brabo, 11 de junho de 2015

1494 • Como o Tratado de Tordesilhas dividiu o planeta entre Espanha e Portugal

Estocado em Brasil · História · Ilustração

Esta é a parte 6 de 14 da série História da alocação de recursos no Brasil

 

 

A ideia da autoridade universal do papa não era nova, mas com a Era dos Descobrimentos essa crença inaugurou um dos seu períodos mais paradoxais. Os papas estavam reivindicando para si e fazendo cumprir autoridade sobre vastas porções do mundo que ninguém sequer conhecia. Estavam distribuindo reinos, territórios, riquezas e seres humanos como se lhe pertencessem, e os estavam distribuindo entre um ou dois países favoritos.

O Brasil ainda não tinha sido descoberto e seus recursos já estavam alocados.

A bula Romanus Pontifex tinha dado a Portugal as terras (àquela altura só as africanas) ao sul do Cabo Bojador, a bula Inter Cetera dava à Espanha as terras a oeste do Atlântico. Para Portugal e, em menor grau para a Espanha, o efeito acumulado dessas bulas perpendiculares não deixava claro – ou não deixava justo – o que cabia a quem.

Para assentar os ânimos e garantir o futuro, o rei D. João II assinou com os Reis Católicos Fernando e Isabel um tratado secular que regulamentava o divino arbítrio em termos com que ambas as partes pudessem concordar. Mais generoso para Portugal do que a bula Inter Cetera, o Tratado estendia de 100 para 370 léguas a oeste das ilhas do Cabo Verde a porção do Atlântico cujas terras estavam reservadas para Portugal.

O Brasil ainda não tinha sido descoberto e seus recursos já estavam alocados.

Paulo Brabo @saobrabo

Escrevo livros, faço desenhos e desenho letras. A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.


 

<
>

Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Leia um livro · Olhe desenhos · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas pede humildemente a incredulidade do leitor