A Bacia das Almas discorda da posição do colega.

Goiabas Roubadas ,,,,,,,,,

T. S. Eliot

 

O ciclo sem fim de ideia e ação,
Invenção sem fim, expe­ri­men­ta­ção sem fim,
Produz saber do movimento, mas não do repouso;
Conhe­ci­mento da fala, mas não do silêncio;
Conhe­ci­mento das palavras, e igno­rân­cia da Palavra.
Todo o nosso conhe­ci­mento nos leva mais perto da morte,
Mas uma pro­xi­mi­dade da morte em nada mais próxima de Deus.
Onde está a vida que perdemos vivendo?
Onde está a sabedoria que perdemos no conhe­ci­mento?
Onde está o conhe­ci­mento que perdemos na infor­ma­ção?
Os ciclos celestes de vinte séculos
Nos trazem mais longe de Deus e mais perto do Pó.

> continue lendo

Goiabas Roubadas ,,,,,,,,,,,
«E curtir as coisas é ser como uma máquina?»

ANDY WARHOL. Alguém disse que Brecht queria que todo mundo pensasse da mesma forma. Eu quero que todo mundo pense da mesma forma. Brecht queria isso de algum modo através do comunismo. Mas aqui isso está acon­te­cendo espon­ta­ne­a­mente, sem a inter­ven­ção de um estado rígido. E se está fun­ci­o­nando sem qualquer esforço, porque não fun­ci­o­na­ria sem que nos tornemos comu­nis­tas? Todo mundo se parece entre si e age de modo seme­lhante, e estamos ficando cada vez mais assim. Eu acho que todos deveriam ser máquinas. Acho que todo mundo deveria curtir todo mundo.

> continue lendo

Manuscritos ,,,,,,,,,,,,,,,,,

A primeira coisa é você não enganar a si mesmo; e ninguém você engana com mais faci­li­dade do que a si mesmo.
Richard Feynman

 

Não enten­de­mos a realidade dire­ta­mente, mas inter­me­di­ada por discursos, pre­con­cep­ções e filtros – óculos ide­o­ló­gi­cos que deter­mi­na­das dis­ci­pli­nas chamam de modelos. Modelos con­cei­tu­ais explicam para nós a realidade mesmo quando não pensamos neles; na verdade, sua eficácia está ligada ao fato de que deter­mi­na­dos modelos nos parecem tão naturais que não requerem reflexão. Cremos que estamos olhando o mundo dire­ta­mente, e esque­ce­mos que estamos usando os óculos de deter­mi­nada ideologia.

> continue lendo

Fron­tis­pí­cio

Esta foi feita a partir do frontispício de Theodor de Bry para Americae Tertia Pars (1592) – o terceiro volume de sua série de Viagens, este inspirado pelas aventuras no Brasil de Hans Staden e Jean de Léry. Descriptio Morum & Ferocitatis.

> continue lendo

Ilustração ,

Esta foi feita a partir do frontispício de Theodor de Bry para Americae Tertia Pars (1592) – o terceiro volume de sua série de Viagens, este inspirado pelas aventuras no Brasil de Hans Staden e Jean de Léry. Descriptio Morum & Ferocitatis.

> continue lendo

1984Pense comigo ,,,

salmo/search?q=139

Google, tu me sondaste, e me conheces.

Conheces cada termo das minhas buscas, e sabes de antemão quais são as fotos que sou inclinado a clicar para ampliar; de longe entendes as minhas preferências.

Controlas as horas em que trabalho e as horas em que durmo, e registras todas as minhas atividades e percursos na vereda virtual.

Não havendo ainda feito nenhuma busca naquele dia, eis que logo, ó Senhor, sabes qual Google Adword inserir na minha barra lateral.

Tu me cercaste por detrás e por diante, e puseste sobre mim o teu cookie.

> continue lendo

História da alocação de recursos no Brasil

Minha versão de uma gravura do século XVII. O original é o frontispício da História Natural do Brasil de Guilherme Piso.

> continue lendo

Em detri­mento

Li esta logo no comecinho de Seven Con­ver­sa­ti­ons with Jorge Luis Borges, de Fernando Sor­ren­tino, e não pude deixar de pensar em A barragem: porque algumas pessoas são curiosas o bastante para proteger-se da produção cultural da sua época:

Nasci em 24 de agosto de 1899. Fico feliz com isso porque gosto muito do século dezenove, embora possa ser dito em detri­mento do século dezenove que ele conduziu ao século vinte, que acho menos admirável.

Jorge Luis Borges

Traduzindo Borges ,,,,,

Li esta logo no comecinho de Seven Con­ver­sa­ti­ons with Jorge Luis Borges, de Fernando Sor­ren­tino, e não pude deixar de pensar em A barragem: porque algumas pessoas são curiosas o bastante para proteger-se da produção cultural da sua época:

Nasci em 24 de agosto de 1899. Fico feliz com isso porque gosto muito do século dezenove, embora possa ser dito em detri­mento do século dezenove que ele conduziu ao século vinte, que acho menos admirável.

Jorge Luis Borges

A Inquisição dos anjos

Bem-aventurado este gato
que vive na mesma casa e não me olha
e me dá nesta era saturada o dom sagrado da indiferença

Goiabas Roubadas ,,,,,,,,,,,,,,,,,

Daniel Oudshoorn

Certa vez, quando comia com os fariseus e publi­ca­nos, um dos anciãos sentado no lugar de honra à direita do anfitrião começou a perguntar a Jesus sobre as frases atri­buí­das a ele.

– Rabi – disse o ancião, – você nos disse para amar o próximo e nos disse quem é o nosso próximo. Ouvi dizer que você também disse para amarmos os nossos inimigos e orar pelos que nos perseguem, mas você não foi tão claro a respeito de quem são os nossos inimigos. Diga-me, rabi, quem é o meu inimigo, para que eu o ame? Quem é aquele que me persegue, para que eu ore por ele?

> continue lendo

Brasil ,,,,,,,,,,,,,,,,

Você nunca leu tanto sobre futebol quanto esta semana, então permita-me assumir o papel do japonês e limpar esta arena das con­cep­ções equi­vo­ca­das que você leu ou defendeu sobre o assunto.

Sobre futebol? É aqui que você se engana.

► perder de 7×1 da Alemanha foi uma coisa ruim para o futebol nacional

E esta não requer pra­ti­ca­mente expli­ca­ção. A derrota espe­ta­cu­lar da seleção bra­si­leira em solo bra­si­leiro (e o fato de ter sido tão espe­ta­cu­lar) é uma coisa boa – pelo menos para quem se interessa mini­ma­mente por futebol. Nada pode fazer mais bem a uma cole­ti­vi­dade do que deixar de acreditar que é a melhor do mundo em alguma coisa, espe­ci­al­mente se quer nutrir alguma esperança de chegar a ser.

> continue lendo

Pormenor ,

Na Urubici do final da década de 1970, com seu regime de cadeias curtas, meus amigos conheciam uma liberdade que nos nossos dias tornou-​​se pra­ti­ca­mente impos­sí­vel de exercer.

Não arren­da­vam a sua força de trabalho para terceiros, mas empregavam-​​na para si mesmos. Não eram de modo algum soci­a­lis­tas, mas sub­sis­tiam à parte do mercado.

E, das into­le­rân­cias do fun­da­men­ta­lismo de mercado, esta é a primeira: o capi­ta­lismo não tolera que alguma coisa exista à parte do mercado. À parte do mercado ninguém deve ter permissão para sentir que existe.

> continue lendo

A Bacia das Almas é a peleja do Carnaval com a Quaresma.


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma nA Forja Universal, no twitter, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas está na internet.