A Bacia das Almas já não é mais a mesma.

Goiabas Roubadas

Às vezes me pergunto o que é efe­ti­va­mente mais puritano: quando os filmes ame­ri­ca­nos mostram o sexo de modo almo­fa­di­nha, brincando de esconde-esconde, a uma distância cuidadosa de sani­ti­zada ino­cui­dade; ou quando os filmes europeus – e falo quase exclu­si­va­mente dos franceses – mostram o sexo em toda a sua explícita e pegajosa glória mas sugerem que as únicas pessoas que transam são não-humanos de alma morta que sublimam meca­ni­ca­mente a sua depressão transando com quem desprezam.

Tim Brayton, em Antagony & Ecstasy

Goiabas Roubadas ,,,,,

O problema inicial do gângster literário é profundo: como ser notado? Como encontrar um lugar ao sol? Tendo sido por um quarto de século obser­va­dor deste cenário, com um interesse par­ti­cu­lar em crimes lite­rá­rios – para usar a celebrada frase da New York Times Review, – eu sugeriria ao aprendiz de criminoso que escreva o seguinte na tampa de sua máquina de escrever: o leitor dos nossos dias está inte­res­sado não em análise, mas em opinião, pre­fe­ri­vel­mente hostil e ines­pe­rada.

> continue lendo

Divino preconceitoPolíticaSociedade ,,,,,,,,,,,

Há um bom motivo pelo qual o alarmismo é con­ta­gi­oso e irre­sis­tí­vel, e se espalha como a peste pelas veias da internet; há um motivo pelo qual os pre­ga­do­res inva­ri­a­vel­mente demonizam seus adver­sá­rios, e afirmam haver gigantes insa­ciá­veis onde ficará demons­trado haver moinhos de vento: semear o medo torna as pessoas vul­ne­rá­veis, e gente vul­ne­rá­vel pode ser mani­pu­lada.

> continue lendo

Manuscritos

– Está aí uma mulher pra ver vossia – disse Lauco.

– E por que não deixou ela chegar?

– Ela pediu para ser anunciada – Lauco deu dois passos para o lado para deixar livre o campo de visão do outro.

A mulher tinha subido a escada externa que dava para o terraço onde estavam tra­ba­lhando os cinco ou seis homens, mas tinha parado deli­be­ra­da­mente antes de vencer o último degrau. Estava ali muito emper­ti­gada e elegante e dando sinal de sentir-se muito deslocada, olhando dire­ta­mente para ele com toda a urgência da terra.

> continue lendo

Manuscritos

Era perto do meio-dia mas o peito do homem tinha dentro um sol baixo e dourado no horizonte, um esplendor no ar e uma revoada de pássaros que lhe girava sem cessar o domo do coração. Pousou a mão sobre o peito nu como que para estancar aquela ternura e impedir que lhe roubasse todo o fôlego.

Deitou um peixe sobre a tábua de cortar e neste momento chegou o jegue trazendo o enge­nheiro Mateus, que pisou o chão agreste inter­me­di­ado por sapa­ti­lhas finas de brocado.

> continue lendo

Talvez

Eu tinha menos de dezoito anos quando Jorge Luis Borges beijou-me pela primeira vez numa papelaria em Bauru1. A maior parte das páginas que meus leitores atribuem a mim consiste no registro das ondas de choque que pro­du­zi­ram no meu relevo interior aquele encontro.

E dos bens que Borges deixou-me no seu tes­ta­mento, talvez o mais valioso tenha sido a fé neces­sá­ria para dizer e pensar talvez.

Eu era um jovem que queria ter muitas certezas. Para o rapaz que fui a beleza (e portanto também a verdade) residia no imutável e no certo: na profissão de fé, nas tábuas de pedra da lei, na crença per­fei­ta­mente formulada. Meu autor favorito era o apóstolo Paulo, porque não conseguia conceber pessoa com con­vic­ções mais firmes2.

> continue lendo

ManuscritosTraduzindo Borges ,,,,,,,,,,,,,,,,,,

Eu tinha menos de dezoito anos quando Jorge Luis Borges beijou-me pela primeira vez numa papelaria em Bauru1. A maior parte das páginas que meus leitores atribuem a mim consiste no registro das ondas de choque que pro­du­zi­ram no meu relevo interior aquele encontro.

E dos bens que Borges deixou-me no seu tes­ta­mento, talvez o mais valioso tenha sido a fé neces­sá­ria para dizer e pensar talvez.

Eu era um jovem que queria ter muitas certezas. Para o rapaz que fui a beleza (e portanto também a verdade) residia no imutável e no certo: na profissão de fé, nas tábuas de pedra da lei, na crença per­fei­ta­mente formulada. Meu autor favorito era o apóstolo Paulo, porque não conseguia conceber pessoa com con­vic­ções mais firmes2.

> continue lendo

Manuscritos ,,,,

Não teve por usurpação ser igual a Deus – ao contrário, aniquilou-se a si mesmo.
Fili­pen­ses 2:6,7

 

Que o ocidente encontra-se em franco processo de secu­la­ri­za­ção a ninguém ocorreria negar. Cada dia se levanta e encontra Deus mais distante do centro do palco, onde uma vez incon­tes­ta­vel­mente esteve. Menos gente se considera religiosa, menos gente acredita em Deus, menos gente fala com ele. Menos gente se mostra disposta a moldar o seu com­por­ta­mento diante da ameaça do inferno e do pecado; menos gente acredita em milagres, menos gente os espera e os pede. Há menos orações públicas, menos cru­ci­fi­xos nas paredes, menos menções a alguma divindade na festa de entrega do Oscar. Menos gente recorre a Deus para prover ajuda, e mais gente duvida que Deus seja capaz de prover qualquer ajuda.

> continue lendo

A Bacia das Almas não quer partir do pressuposto de que só porque discordamos um de nós está necessariamente certo.


Depositado em juízo por Paulo Brabo · Desde 2004 · Sobre o autor e esta Bacia · Receba por email · Leia um livro · Olhe desenhos · Vasculhe os arquivos · A amizade continua a mesma nA Forja Universal, no twitter, no Flickr e até no Google+ · Mas não no Facebook · Assine com RSS · Versões digitais dos manuscritos da Biblioteca do Monastério de São Brabo nas Índias Ocidentais · Fale comigo · A Bacia das Almas é repositório final de ideias condenadas à reformulação eterna.